O Benfica vai instaurar um processo judicial contra Ana Gomes. Ao Observador, recusando comentar o caso, a ex-eurodeputada indicou que ainda não fora notificada formalmente, tendo conhecimento da intenção do Benfica apenas através das notícias veiculadas ao longo do dia de hoje.

Em causa está um comentário feito por Ana Gomes na rede social Twitter, a 27 de junho. Na resposta a um tweet sobre a transferência de João Félix, Gomes questionou se o negócio não se trataria de um “negócio de lavandaria”.

“A sua declaração foi objeto de significativa repercussão na imprensa nacional e estrangeira, gerando enorme indignação no Sport Lisboa e Benfica, nos membros dos seus órgãos sociais, sócios e adeptos”, declarou o clube, num comunicado publicado no seu site. Na opinião do Benfica, a “declaração em causa não configura um caso de mero exercício de liberdade de expressão” e tem como propósito “denegrir o nome” do clube.

No seu entender, o Benfica “tem por isso o dever, perante os seus sócios e adeptos, de solicitar, desta vez, a apreciação desta questão pelos órgãos constitucionalmente competentes para o efeito, os Tribunais, o que fará pela instauração de um processo através dos seus advogados”.

Não é a primeira vez que o clube admite processar a ex-eurodeputada. Em março, uma notícia do Diário de Notícias, que citava fonte oficial do Benfica, afirmava Ana Gomes ia ser alvo de uma queixa por alegadas “calúnias, falsas declarações e difamação” após ter defendido o hacker Rui Pinto e ter dito que Luís Filipe Vieira tinha “um passado de delinquência”.

Contactada pela TSF, Ana Gomes disse tem um único comentário a fazer à intenção do Benfica: “Façam favor”.

**Notícia atualizada às 15h25 de 5 de julho de 2019 com as afirmações de Ana Gomes ao Observador**