A Câmara Municipal de Faro foi na terça-feira alvo de buscas, tendo sido constituídos quatro arguidos, estando entre eles o vice-presidente Paulo Santos e a sua ex-mulher, Sandra Ramos. As informações fora confirmadas ao Observador pelo Ministério Público (MP) e a Polícia Judiciária (PJ).

De acordo com o MP, as buscas — domiciliárias e não domiciliárias —, decorreram também na AMBIFARO, Gestão de Equipamentos Municipais, E.M., no mercado municipal de Faro e num “escritório de advogado”, não tendo precisado qual.

Os inspetores solicitaram vários documentos à Câmara de Faro, liderada pelo social-democrata Rogério Bacalhau, e também comunicações eletrónicas.

No processo investigam-se factos suscetíveis de integrarem crimes de corrupção, de participação económica em negócio, de peculato e de prevaricação“, esclarece o Ministério Público.

Em comunicado, a PJ acrescenta que na Operação “Mercado Aberto” foram constituídos quatro arguidos e que a investigação irá prosseguir para “determinação de todas as condutas criminosas, seu alcance e respetivos agentes”.

Além dos crimes de corrupção — ativa e passiva—, participação económica em negócio, peculato e prevaricação, a PJ acrescenta ainda o crime de abuso de poderes.