Rádio Observador

Brexit

Conservadores. Boris Johnson quase nem precisou de responder para vencer Jeremy Hunt

Atrás nas sondagens, Jeremy Hunt partiu para o debate ao ataque e encostou o adversário às cordas em vários temas — mas acabou a desesperar com a falta de respostas: Boris Johnson não se compromete.

Matt Frost/ITV via Getty Images

Dizer que Boris Johnson venceu o único debate televisivo entre os dois candidatos à liderança do Partido Conservador, no Reino Unido, pode até ser uma avaliação injusta, tendo em conta que Jeremy Hunt foi o único claramente decidido em marcar posições em vários temas e o também o único a dar respostas claras sobre o que pretende fazer se se tornar primeiro-ministro. Mas mesmo recusando responder a uma série de perguntas — algumas feitas diretamente pelo adversário — e fugindo aos temas sobre os quais recusa comprometer-se, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros voltou a mostrar porque é que, para ele, a corrida à sucessão de Theresa May é um passeio no parque.

“Passeio no parque” foi, aliás, a mesma imagem que Hunt usou para criticar a forma ligeira como Boris Johnson aborda a saída do Reino Unido da União Europeia. Nesse ponto, Boris foi claro: é para sair, seja de que forma for, a 31 de outubro — o último prazo dado pela UE — e mesmo sem qualquer acordo que limite os danos para o país. “É fulcral sairmos em outubro”, sublinhou, apesar de desvalorizar os efeitos de um “no deal”. Admite que uma saída caótica poderia ter “um curto alto”, mas diz que “o segredo é preparar” esse cenário: “Se for preparado, é quase sem custos”, assegurou. Mais que isso, acredita que é uma forma de pressionar Bruxelas:

Quanto mais e melhor nos prepararmos, menor é o risco de uma disrupção. Se nos preparamos [para uma saída sem acordo], a UE vai perceber que estamos prontos e vai dar-nos o acordo de que precisamos.”

E se não cumprir a promessa de um Brexit a 31 de outubro, demite-se? Foi a primeira pergunta direta feita por Jeremy Hunt que Boris Johnson deixou sem resposta. “Nós vamos sair a 31 de outubro”, insistiu. “Eu acho que foi um não”, replicou Hunt, insistindo: “Perguntei se te demitias se não saísses em outubro”. “Eu acho que é muito importante não estarmos a falar de circunstâncias em que não saímos”, contrapôs Johnson, chutando o foco para o outro lado: “Eu gostava era de saber quanto mais tempo o meu oponente está disponível para adiar o Brexit”.

A farpa surgia depois de Hunt ter puxado dos galões de “negociador duro” para dizer que é o único capaz de voltar a Bruxelas para conseguir um bom acordo para a saída do grupo europeu — aquele que Theresa May não conseguiu, acabando por levar à queda da primeira-ministra. Insistintido que não basta optimismo para enfrentar o risco de um no deal e nos danos que uma saída caótica teria para os britânicos e, sobretudo, para as empresas, Jeremy Hunt recusou prometer um Brexit a 31 de outubro — “tivemos uma quebra na confiança dos nossos eleitores por não termos cumprido” — e defendeu que é errado estar a fixar, à força, uma data. O adversário não perdoou: “Que tal o Natal? Natal parece-te bem?”, ironizou Boris Johnson, arrancando gargalhadas e aplausos do público presente no estúdio da ITV, antes de voltar a insistir que o tempo das negociações acabou: “Temo que a UE não nos leve a sério. As empresas têm de saber que devem preparar-se para um no deal”.

Tal como o esperado, o Brexit consumiu mais de metade do debate, no qual os dois candidatos foram respondendo a perguntas do público. A possibilidade de saída sem acordo foi ainda a base para outras duas questões, cada uma com um “nim” de cada lado. Estariam disponíveis para suspender o parlamento, para garantir a saída? Hunt é claro no não, Boris diz que mantém todas as opções em cima da mesa. Se o parlamento proibir uma saída com sem acordo, estão disponíveis para fazer acordos com o Partido do Brexit, de Nigel Farage? “Não acredito em fazer acordos com partido nenhum”, recusa Boris Johnson; para não ser confrontado com isso, o Reino Unido precisa de um primeiro-ministro que consiga negociar, desvia-se Hunt.

Brexit foi o tema forte do debate, ocupando toda a primeira parte (Matt Frost/ITV, Getty Images)

Apesar das diferenças, no final da primeira parte de debate ambos levantaram a mão, quando questionados se acreditam que o Brexit acontece até ao final de outubro. O momento voltaria a valer gargalhadas, por causa da reação de Johnson: “É esse o espírito, Jeremy! Quase me enganavas! Pensei que tinhas dito que não era possível!”.

Na segunda parte, Jeremy Hunt procurou ganhar terreno e passou a apontar mais a incapacidade do adversário em assumir posições claras sobre o serviço nacional de saúde, impostos e até obras públicas, como o alargamento do aeroporto de Heathrow, mas sem grande sucesso. “Não respondeste a nenhuma das minhas perguntas, Boris! Se vais ser primeiro-ministro, tens de ter uma resposta!”, disse depois de Boris Johnson ter recusado dizer se, caso fosse eleito, manteria no cargo o embaixador do Reino Unido nos Estados Unidos, depois das polémicas declarações sobre Donald Trump — dado adquirido para Hunt. Boris começou por evitar a questão; depois limitou-se a dizer que a escolha sobre quem assume aquele tipo de cargos será apenas dele, aproveitando para criticar o adversário por ter falado publicamente sobre o tema.

Num debate entre atual e anterior ministro dos Negócios Estrangeiros, ficaram, aliás, claras as diferenças entre os dois na relação com Trump, embora ambos tenham sublinhado a importância da relação entre os dois países, referindo-se aos Estados Unidos como o principal, o mais antigo e o mais importante aliado do Reino Unido.

O debate terminaria com um pedido para que cada um apontasse a melhor característica do adversário. Sem surpresas, Jeremy Hunt elogiou, de forma irónica, “a capacidade do Boris de responder a perguntas”, dizendo que o ex-ministro usa o humor para desviar as atenções e evitar as respostas — “uma óptima qualidade para um político, mas não para um primeiro-ministro”. Acabaria por fazê-lo de novo, já depois do debate, no Twitter.

Na resposta, Boris Johnson diria que valoriza muito “a capacidade de mudar de opinião” de Jeremy Hunt, que foi um “Remainer”, defendendo a permanência do Reino Unido na UE, e “está agora a fazer campanha pelo Brexit”.

Boris Johnson segue isolado nas sondagens e é o favorito na sucessão da Theresa May. Segundo os analistas questionados pelos jornais britânicos, só um erro “catastrófico” neste debate poderia fazer cair esse avanço em relação a Hunt. Um erro que Boris, mesmo sem se comprometer — e talvez também por isso —, não cometeu.

Estima-se que, nesta altura, metade dos eleitores no Partido Conservador já tenham votado. As eleições entre os tories terminam a 22 de julho e os resultados deverão ser conhecidos no dia seguinte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: soliveira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)