Rádio Observador

Cultura

Literatura portuguesa: a nobre e imortal herança

907

São muitos os escritores e obras portuguesas que ficaram na história. Entre passado e presente, fazemos uma viagem à boleia desses livros e autores, e pomos à prova o seu conhecimento.

Desde as primeiras manifestações literárias até hoje, passaram 900 anos. Pelo caminho, ficaram milhares de obras que marcaram a cultura de um país. Para recordar os pioneiros desta arte, temos de recuar ao século XII, época em que entre o lirismo das cantigas de amor e de amigo, e a sátira das cantigas de escárnio e mal dizer, tinham nos trovadores verdadeiros artificies da palavra. Mais tarde, no primeiro terço do século XV, graças a Fernando Lopes e Gil Vicente, a crónica e os autos humanistas passam a estar na ordem do dia. Essas novas abordagens alargaram os horizontes da escrita e abriram caminho para as experiências épicas de Luís Vaz de Camões e os exercícios barrocos de Padre António Vieira. Se não conhece, por exemplo, os relatos de Fernão Lopes, os autos do chamado pai do teatro nacional (Gil Vicente), Os Lusíadas ou Sermão de Santo António aos Peixes, procure as obras no site da Wook e supere essa falha. No final deste artigo, lançamos-lhe um repto: o quão bem conhece a literatura portuguesa? Ponha-se à prova.

Dos setecentos à modernidade

Já em pleno século XVIII, nascia uma nova corrente literária com sede na Lisboa capital. Designavam-se uns por Arcádia Lusitânia, outros, por Nova Arcádia, e deram a conhecer nomes como Manuel Negrão, Teotónio Carvalho e um tal de Bocage. Cerca de um século mais tarde, os românticos e idealistas Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco e Júlio Dinis deixaram um conjunto de obras invejáveis. Na segunda metade do século XIX, e através de uma visão assumidamente realista, chegaria a vez de alguns estudantes de Coimbra marcarem uma página importante na história da literatura portuguesa, com destaque para Antero de Quental e Teófilo Braga. Também acutilante, e através de uma marca assumidamente critica, Eça de Queiroz apontava o dedo a uma sociedade fútil, tornando-se num dos nomes maiores da época. (Re)leia clássicos como Viagens na Minha Terra, Amor de Perdição ou Os Maias.

O futuro, agora

Inspirado nesse sentido crítico, mas acompanhado pela doçura da poesia, o início do século XX deu a conhecer o saudosismo de Teixeira de Pascoais e a tetravisão de Fernando Pessoa e seus heterónimos. À boleia desta inspiração, chegaria a vez do surrealismo de Mário Cesariny e Alexandre O’Neill. Já com um país amordaçado pela ditadura, soltavam-se as vozes de Bernardo Santareno ou José Cardoso Pires em direção à ansiada liberdade, que confirmaria nomes como José Saramago, futuro prémio Nobel, ou António Lobo Antunes. Mais recentemente, a nova geração de escritores, muitos deles dados a conhecer nas edições de prémios literários, e que inclui nomes como Valter Hugo Mãe, João Tordo, José Luís Peixoto, Afonso Cruz, entre muitos outros, tornam obrigatória a leitura de livros como A Máquina de Fazer Espanhóis ou Para Onde Vão os Guarda-Chuvas, que serão, seguramente, os clássicos de amanhã. Onde pode encontrá-los? Na Wook, claro está. Lá, pode encontrar vários autores portugueses e outros. Um bom local para saber as respostas ao quizz que lhe deixamos abaixo.

Ponha-se à prova

Acha que é um ás em literatura lusa? Então, lançamos-lhe um desafio: responda às 10 questões do quizz abaixo e avalie o seu grau de conhecimento sobre o tema.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)