Rádio Observador

Aviação

Estará a turbulência aérea a tornar-se mais frequente? Estudos mostram que sim e o aquecimento global pode ser uma das causas

117

Há cada vez mais relatos de ferimentos causados por turbulência. Os episódios parecem ser cada vez mais comuns e o nível de turbulência mais alto. Alterações climáticas podem explicar fenómeno.

JOSE COELHO/LUSA

Ao longo dos próximos anos, as viagens de avião vão ficar cada vez mais “atribuladas”. A causa? O aquecimento global. Sim, o fenómeno não só aquece a superfície terrestre, como está a alterar os ventos atmosféricos à altitude a que os aviões circulam. Assim, turbulência está a tornar-se cada vez mais comum e os sinais vermelhos que nos obrigam a apertar os cintos de segurança podem começar a piscar com mais frequência.

Sublinha o The Telegraph que a turbulência aérea é a principal causa de ferimentos em passageiros durante viagens de avião. Ao mesmo tempo, é também um dos fatores que mais nervosismo causa em quem teme viagens aéreas.

As alterações climáticas estão a tornar a atmosfera mais vulnerável à instabilidade que cria turbulência”, explica Paul Williams, da Universidade do Centro Nacional de Ciência Atmosférica de Reading. De acordo com Williams, a turbulência pode mesmo triplicar nos próximos tempos com o aumento dos níveis de dióxido de carbono.

Este ar é mais forte que a gravidade. E é por isso que a turbulência é perigosa nos aviões: “Os movimentos verticais ocorrem mais rapidamente que a gravidade. Se não tivermos o cinto apertado ou se qualquer objeto não estiver preso, vai ser catapultado”, destaca o professor.

O que causa a turbulência?

Mas o que é e o que causa a turbulência? Imaginemos um rio que se prolonga por milhares de quilómetros. Um rio estreito mas pouco profundo, onde a água circula a uma velocidade estonteante. Se água de outros rios penetra este circuito, vai haver uma mistura de forças e o rio vai agitar-se. É isto que se passa nos canais de ar. E assim “nasce” a turbulência aérea. Quanto maior a mistura de ar, maior será o nível de agitação.

Há três níveis de turbulência: leve, moderada e severa. O terceiro e mais grave é também o mais raro e muito pouco frequente. Ainda na sexta-feira, um avião da Air Canada foi obrigado a mudar de rota depois de turbulência “severa e inesperada” ter atingido o aparelho. O fenómeno durou apenas alguns segundos, mas feriu 35 passageiros. E dois dias antes um voo da Emirates foi também atingido por turbulência severa três horas antes de aterrar.

O piloto norte-americano Patrick Smith admite que “os céus estão a tornar-se mais turbulentos” e também aponta o dedo às alterações climáticas. Mas, ao mesmo tempo, frisa que a comunicação social também é responsável por causar algum “alarme social”. Smith destaca a facilidade com que se partilham “vídeos assustadores” e o facto de existirem, hoje, mais aviões a circular do que nunca.

É óbvio que, à medida que o aquecimento global perturba os padrões meteorológicos e intensifica tempestades, a turbulência severa vai tornar-se cada vez mais comum”, refere o piloto.

O que podem fazer os pilotos para evitar esta perturbação do ar? Muito pouco. Podem ajustar ou alterar a rota do voo. Podem também guiar-se por relatos de outros aviões. O problema é que a turbulência é invisível, imprevisível e indetetável no radar. E o que podem fazer os passageiros? Muito pouco, também: apertar o cinto de segurança e manter a calma.

Apesar do “alarme social”, Patrick Smith frisa que nem sempre a turbulência é perigosa. “Os aviões estão desenhados para aguentar com uma grande quantidade de danos. O nível de turbulência necessário para causar estragos no motor ou dobrar uma asa é algo que nenhum piloto vai experienciar numa vida inteira a viajar de avião”, afirma Smith.

E quanto aos ferimentos dos passageiros? O piloto norte-americano diz que estes são causados quando os tripulantes não estão a usar o cinto de segurança.

A indústria da aviação é líder na emissão de dióxido de carbono. Estas emissões estão a aquecer o planeta Terra — o que também causa o aumento da circulação do ar. A aviação parece assim estar a ser vítima do próprio “crime” que pratica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)