Rádio Observador

Lotus

2000 cv na estrada. Lotus Evija é uma bestialidade

Com a colaboração da Williams Advanced Engineering, a Lotus faz uma entrada pela porta grande na mobilidade eléctrica. O Evija converte-se no mais potente hiperdesportivo apto a circular em estrada.

Se a Williams Advanced Engineering é chamada a dar uma mãozinha a um construtor automóvel, devemos esperar algo de bom. Mas, neste caso, até as melhores expectativas se vêem ultrapassadas pela realidade, pois a Lotus conseguiu, de uma assentada, estrear-se na mobilidade 100% eléctrica e logo apresentando aquele que será o mais potente hiperdesportivo homologado para circular em estrada: o Evija.

Se pensava que os 1000 cv do Mercedes-AMG One são uma brutalidade só superada pelos 1176 cv do Aston Martin Valkyrie, então, o que dizer dos 2000 cv anunciados pelo Lotus Evija? Trata-se de uma potência bestial, para mais coroada com um grau de exclusividade superior ao One e ao Valkyrie, pois se a Mercedes-AMG vai produzir 275 exemplares e a Aston Martin não mais do que 150, a Lotus compromete-se a encerrar o fabrico do Evija ao fim de 130 unidades. Com uma vantagem: os alemães terão exigido cerca de 2,4 milhões de euros por cada One, ao passo que a Aston Martin fixou o preço do Valkyrie na casa dos 2,8 milhões de euros. Sucede que, por cada Evija, a Lotus pede “apenas” 1,9 milhões de euros. Os potenciais interessados em fazer negócio com o fabricante de Hethel, controlado pelos chineses da Geely, só têm de garantir lugar na shortlist de compradores com um depósito prévio a rondar os 280 mil euros (250.000 libras, o correspondente a 276.815€ à cotação de hoje).

Se nos concentrarmos nos hipercarros puramente eléctricos, concluímos que o Evija ousa desafiar quem já está no mercado há algum tempo e, para mais, quem já deu provas de fazer aquilo que promete: a Rimac. Os croatas começaram por surpreender com o Concept One e depois vieram “esticar a corda” com o C_Two, apresentado o ano passado no Salão de Genebra. Estamos a falar de um desportivo com quatro motores eléctricos, um por roda, que oferece uma potência combinada de 1914 cv e 2300 Nm! A fazer as “despesas” da locomoção está uma bateria com 120 kWh de capacidade, arrefecida a líquido.

A Lotus também deita mão a quatro motores eléctricos que, no conjunto, debitarão 2000 cv e 1700 Nm. Os britânicos não revelam a capacidade da bateria, apenas adiantam que se encontra na parte central do veículo e que permitirá percorrer 400 km com uma só carga. Sucede que aventam a hipótese de recarregar a 800 kW, no que é uma novidade absoluta, ainda nem sequer disponível comercialmente. Alegadamente, num ponto de recarga desse tipo, a bateria do Evija ficaria em pleno ao fim de escassos 9 minutos. Em contrapartida, num posto a 350 kW – os mais avançados até ao momento –, será possível recuperar toda a capacidade da bateria em 18 minutos ou 80% em 12 minutos.

Certo é que, com mais potência mas menos binário, o Lotus perde para o C_Two na comparação de prestações, pois o superdesportivo inglês estabelece a fasquia dos 0 a 100 km/h em menos de 3 segundos, enquanto o Rimac demora 1,97 segundos a passar por essa barreira. Depois, o Evija diz-se capaz de superar os 320 km/h, enquanto o C_Two garante 412 km/h de velocidade máxima.

Resta aguardar que as promessas superem a fase de testes e se venham a concretizar, pois é suposto que a produção arranque já para o ano.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)