Rádio Observador

Crime

Leitura de acórdão de Diana Fialho e Iuri Mata adiada

O exame aos computadores dos arguidos só foi incluido no processo esta quinta-feira e os juízes quiseram uma alteração da qualificação jurídica do crime — o que levou a adiar a leitura

Ilustração real da sala de audiências. Diana Fialho está sentada ao lado de Iuri Mata, durante a primeira sessão

Ilustração: Teresa Dias Costa

O Tribunal Judicial de Almada decidiu adiar a leitura da sentença de Diana Fialho e Iuri Mata, acusados pela morte da mãe e sogra Amélia Fialho. Uma nova sessão foi marcada para o dia 29 de julho — só aí será marcada a leitura da sentença.

O exame pericial feito aos equipamentos informáticos em setembro do ano passado, pela PJ, ainda não constava no processo e só foi acrescentado esta quinta-feira — um dia antes da leitura do acórdão. Isto levou os advogados de defesa a pedir tempo para se pronunciarem.

O atraso deve-se também a uma alteração da qualificação jurídica do crime. Os arguidos estão acusados de um crime homicídio qualificado (artigo 132.º do Código Penal) por três razões, previstas nas alíneas a), i) e j) : “Ser descendente ou ascendente, adoptado ou adoptante, da vítima”; “Utilizar veneno ou qualquer outro meio insidioso”; e “Agir com frieza de ânimo, com reflexão sobre os meios empregados ou ter persistido na intenção de matar por mais de vinte e quatro horas”.
Os juízes entendem que deve somar-se mais uma, a prevista na alínea e): “Ser determinado por avidez, pelo prazer de matar ou de causar sofrimento, para excitação ou para satisfação do instinto sexual ou por qualquer motivo torpe ou fútil”.

O caso é de setembro do ano passado. Diana Fialho, filha adotiva de Amélia, anunciou no Facebook, numa publicação feita às 23h29, que a mãe tinha sido vista pela última vez no dia 1 de setembro, sábado, entre as 21h00 e as 22h00. “Avisou que iria sair e desde então que não temos notícias dela. O telemóvel encontra-se desligado e não há meio possível de contacto”, lia-se na publicação.

Três dias depois, o cadáver de Amélia apareceu carbonizado, em Pegões, a cerca de 40 quilómetros da sua casa, no Montijo. Amélia tinha sido drogada com comprimidos e acabou por desmaiar em cima de um cobertor, perto da sua cama, onde a cadela dormia. Com a professora adormecida, o casal terá usado um martelo para a agredir violentamente no crânio e garantir que não acordava. Depois, Diana e o marido embrulharam o corpo de Amélia Fialho naquela manta da cadela e transportaram-no pelo elevador até à garagem. Com o corpo na bagageira do carro, seguiram até Pegões.

Pelo caminho, ainda no Montijo, pararam para comprar gasolina, como se vê nas imagens de videovigilância de uma bomba a que a PJ teve acesso. Deslocaram-se até Pegões, a um terreno agrícola junto ao quilómetro 38,5 da Estrada Nacional Nº.4, onde colocaram o corpo da vítima e, com recurso à gasolina recém adquirida, atearam fogo ao cadáver.

Depois de encontrar o corpo, a Polícia Judiciária precisou de apenas um dia e meio para deter os suspeitos. Dias antes, Diana e Iuri terão procurado na internet caminhos de terra batida na zona e pesquisaram sobre medicamentos que provocassem na vítima um sono profundo. O casal foi ainda filmado, por câmaras de videovigilância, na bomba de gasolina onde compraram o combustível para queimar o corpo e na ponte Vasco da Gama, a partir da qual lançaram o martelo para o rio Tejo. Em 36 horas, a PJ tinha reunido provas suficientes para deixar o casal sem opção senão confessar o que aconteceu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário

João Pires da Cruz
477

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)