Rádio Observador

Matemática

Quanto é 8÷2(2+2)? Expressão numérica tornou-se viral na internet por dar dois resultados distintos

4.966

Pode a mesma expressão numérica ter dois resultados distintos? A internet está dividida, à procura da resposta certa. A história começou no Twitter, com um desafio.

Numa coisa todos estão de acordo, a primeira operação a resolver é a que está entre parêntesis, 2+2, ou seja 4

PhotoBylove/Getty Images/iStockphoto

Foi no domingo passado, 28 de julho, que um utilizador do Twitter lançou a confusão. Quanto é 8÷2(2+2)? Sobre uma imagem do filme ‘The Last Naruto: the movie’, o utilizador @pjmdoll lançava na internet a expressão numérica que se tornou viral. A mensagem era simples: Oomfies (acrónimo para um dos meus seguidores) resolvam isto. E eles resolveram ou, pelo menos, tentaram. E tentaram mais de 13 mil vezes. O problema é a solução. Uns dizem que é óbvio que a resposta é 1, outros dizem que é impossível que o resultado seja outro que não 16. E ainda há quem encontre outras soluções, mas esses precisam apenas da ajuda de uma calculadora ou de um explicador de Matemática.

Então quanto é 8÷2(2+2)? Numa coisa todos estão de acordo, a primeira operação a resolver é a que está entre parêntesis, 2+2, ou seja 4. Até aqui tudo bem. O problema vem a seguir. Perante 8÷2(4) que operação deve ser feita primeiro? A divisão ou a multiplicação?

Nos Estados Unidos, as respostas diferentes têm a ver com o método com que cada um aprendeu a fazer operações matemáticas na escola — o PEMBDAS (Parenthesis, Exponents, Multiplication, Division, Addition, Subtraction) ou o BODMAS (Brackets, Orders, Division, Multiplication, Addition, Subtraction).

Aquelas mnemónicas servem para ajudar a memorizar a forma como uma equação deve ser resolvida. No PEMBDAS, a multiplicação aparece antes da divisão, mas no BODMAS, é a divisão que aparece primeiro.

Então, quando a conta é feita dando prioridade à multiplicação, perante 8÷2(4), multiplica-se primeiro 2 por 4, o que dá 8. E ficamos com 8÷8=1.

Se a prioridade for dada à divisão, perante 8÷2(4), divide-se primeiro 8 por 2, o que dá 4. E ficamos com 4(4), uma multiplicação, que dá 16.

Então a equação podia dar dois resultados diferentes? Não, porque há um dado muito importante a reter quando se usa qualquer um destes métodos. A multiplicação e a divisão tem igual precedência (assim como a soma e a subtração) e, desde que não haja parêntesis envolvidos, as operações devem ser resolvidas da esquerda para a direita. Ou seja, neste caso concreto, a divisão primeiro, dando o resultado 16, como explica, num vídeo, Presh Talwalkar, autor de vários livros sobre jogos matemáticos e que tem um canal no Youtube, Mind your Decisions, onde resolve todo o tipo de equações.

Esta já teve mais de 160 mil visualizações.

O autor, que estudou Economia e Matemática na Universidade de Stanford, EUA, explica que esta é a única conclusão possível segundo os métodos modernos de cálculo, ressalvando que houve alturas em que os métodos antigos poderiam conduzir ao resultado de 1.

Mas nem mesmo esta explicação deixou a internet sossegada e há quem conteste a explicação de Presh Talwalkar. Também há quem defenda que o problema é propositadamente ambíguo para desassossegar os internautas. Se era esse o objetivo, a missão foi cumprida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo
129

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)