Rádio Observador

Greve

Sindicato dos Motoristas tem “várias propostas” e sempre quis evitar a greve

214

O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas disse ter "várias propostas" para apresentar na reunião de segunda-feira e que sempre quis evitar a greve.

Entre as principais propostas está a negociação de um contrato coletivo de trabalho, disse Pedro Pardal Henriques

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) disse este sábado ter “várias propostas” para apresentar na reunião de segunda-feira no Ministério das Infraestruturas e sublinhou que a estrutura sindical sempre quis evitar a greve.

Existem várias propostas que nós queremos apresentar ao senhor ministro das Infraestruturas [Pedro Nuno Santos] e à ANTRAM [Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias]” na reunião que terá lugar na segunda-feira, disse à Lusa Pedro Pardal Henriques.

Entre as principais propostas está a negociação de um contrato coletivo de trabalho “com um prazo de tempo mais estendido com as coisas que, quer uma parte quer outra, entendam reivindicar”, acrescentou o vice-presidente do SNMMP.

A proposta, adiantou Pardal Henriques, passa por aumentar o salário base dos motoristas para mil euros até 2025, com indexação ao crescimento do salário mínimo nacional, o que permite “um prazo mais dilatado, quer para que as empresas possam cumprir com aquilo que ficar estabelecido no CCT, quer para que haja a paz social que o país necessita”.

“A questão é que a ANTRAM não se quer sentar com os sindicatos, não quer ouvir propostas e quer colocar o país neste estado de alerta”, acusa o dirigente sindical, garantindo que o sindicato pretende encontrar uma solução que evite a greve.

“Nós sempre quisemos evitar a greve. O problema é que quando as pessoas não negoceiam connosco, nem sem greve nem com pré-aviso nem durante a greve, é difícil evitar-se este confronto”, considerou Pardal Henriques.

O vice-presidente do SNMMP adiantou que na reunião marcada para segunda-feira no Ministério das Infraestruturas estarão presentes os dois sindicatos independentes que decretaram a greve, não havendo ainda confirmação de que a ANTRAM estará presente.

Pardal Henriques considerou ainda “lamentável” a posição do primeiro-ministro, António Costa, sobre a greve dos motoristas, manifestada na sexta-feira, em Loulé, após a reunião semanal com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

É lamentável que o senhor primeiro-ministro venha dizer aos portugueses que o que importa aqui não são os trabalhadores”, mas sim “as férias e o poder económico”, afirmou Pardal Henriques.

Para o dirigente do SNMMP, o primeiro-ministro “veio mostrar que o poder político está aliado ao poder económico em Portugal e que é isso o mais importante”.

António Costa afirmou sexta-feira que “há um claro sentimento nacional de revolta e incompreensão perante uma greve que é marcada para o meio de agosto de 2019, quando já estão acordados aumentos salariais de 250 euros para janeiro 2020, e o que está em causa são os aumentos salariais para 2021 e 2022”.

A greve convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), que começa em 12 de agosto, por tempo indeterminado, ameaça o abastecimento de combustíveis e de outras mercadorias.

O Governo terá de fixar os serviços mínimos para a greve, depois das propostas dos sindicatos e da ANTRAM terem divergido entre os 25% e os 70%, bem como sobre se incluem trabalho suplementar e operações de cargas e descargas.

A greve do SNMMP iniciada em 15 de abril levou à falta de combustíveis em vários postos de abastecimento em todo o país, tendo o Governo acabado por decretar uma requisição civil e convidar as partes a sentarem-se à mesa das negociações.

O SIMM já veio dizer que as consequências desta greve serão mais graves do que as sentidas em abril, já que, além dos combustíveis, vai afetar o abastecimento às grandes superfícies, à indústria e aos serviços, podendo “faltar alimentos e outros bens nos supermercados”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

A esquerda que temos

Fernando Leal da Costa

Nem para ambulâncias pode o INEM gastar dinheiro. O melhor será assumirem que entre ligar para o INEM ou mandar vir o Uber, o segundo é mais certo. Isto, claro, se não estiver a passar um táxi.

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)