O nome de Pedro Marques ser apontado para preencher um dos 27 lugares como comissário no próximo executivo comunitário não é novo, mas surge agora na equação a atual vice-governadora do Banco de Portugal e ex-eurodeputada, Elisa Ferreira.

De acordo com o Público (conteúdo para assinantes), os dois portugueses tiveram indicação do primeiro-ministro, António Costa, e já estiveram reunidos na quarta-feira com a futura líder europeia. Ursula von der Leyen começou esta semana uma ronda de contactos informais com algumas das pessoas indicadas pelos Estados-membros (exceto o Reino Unido que, com a saída em outubro, já não indicará ninguém para o cargo). Serão assim 27 os lugares que Ursula terá de preencher, respeitando a paridade que já divulgou ser um dos requisitos essenciais no processo de seleção dos candidatos.

Em entrevista ào Observador, em julho, Pedro Marques mantinha em aberto a hipótese de ser comissário, assumindo a possibilidade, embora discretamente: “Admito que vou estar cinco anos dedicado ao futuro da Europa e do meu país ao serviço das instituições europeias”, disse.

Elisa Ferreira esteve no Parlamento Europeu durante dois mandatos, saindo em 2016. A atual vice-governadora do Banco de Portugal chegou a ser apontada, em maio, para a presidência do Banco Central Europeu, apesar de ter decidido não avançar com a candidatura.