Rádio Observador

Terrorismo

Al Qaeda publica vídeo de ‘takes’ falhados para embaraçar Estado Islâmico

146

Vídeo mostra enganos de jihadista a ler o texto, incomodado por uma ave canora. Al-Qaeda divulgou o material, numa tentativa de prejudicar rivais do EI, com quem compete por influência no Iémen.

Parte do vídeo divulgado pela Al-Qaeda com o jihadista a consultar uma cábula (D.R.)

“Somente Alá merece ser adorado. E que a paz e as bênçãos estejam com o nosso profeta Maomé.” Um jihadista de joelhos, à sombra de uma árvore, tenta iniciar assim a sua declaração de lealdade ao Estado Islâmico (EI), quando é repetidamente interrompido pelo chilrear de um pássaro. O barulho distrai-o e faz com que, apesar da importância do tema, esqueça as palavras que tem de enunciar. Acaba mesmo por tirar uma folha do bolso da camisa, para ler o texto correto. “Tem calma”, diz-lhe um dos presentes.

Podia ser a cena de um filme ou até de um sketch humorístico mas trata-se de um vídeo verdadeiro de membros do Estado Islâmico — o jihadista em causa, ao que tudo indica, é Abu Muhammad al-Adeni. E a sua divulgação ganha particular relevância porque, segundo garante a investigadora de Oxford Elisabeth Kendall, foi a produtora da Al-Qaeda, a Hidayah Media Productions, que partilhou o vídeo. Intitulado “A realidade de Hollywood do grupo de Al-Baghdadi”, tem como objetivo descredibilizar o grupo terrorista rival.

Kendall partilhou o vídeo na sua conta de Twitter e explicou os pormenores: a gravação original, que data de setembro de 2017, terá provavelmente sido encontrada pela Al-Qaeda este verão, quando o grupo se apropriou do campo do EI em Qayfa, no Iémen. “Uma das coisas mais interessantes para mim nisto é o facto de a Al-Qaeda ser capaz de fazer uma contra-narrativa melhor do que nós, ao utilizar o humor e o gozo de uma forma muito inteligente”, declarou a investigadora de Árabe ao Independent.

O caso ganha particular relevância tendo em conta que os dois grupos estão numa “disputa mortal por território, recrutas e influência no Iémen”, relembra o The Telegraph. Ambas as organizações terroristas estão no país, atualmente mergulhado numa guerra civil que já matou milhares, tentando aproveitar o caos provocado pelo conflito entre os rebeldes houthis e a Arábia Saudita.

A atividade de Al-Qaeda e EI na região é evidente: só no início deste mês, a Al-Qaeda atacou um campo de uma força militar treinada pelos Emirados Árabes Unidos (aliados da Arábia Saudita), matando 20 pessoas; no mesmo dia, o EI reivindicou um ataque a uma esquadra da polícia em Aden que matou 11 pessoas.

Na mesma altura, o Departamento de Estado norte-americano alertou para o renascimento da Al-Qaeda, ameaçada como principal força terrorista islâmica pelo crescimento do EI nos últimos anos. “A Al-Qaeda tem sido estratégica e paciente ao longo destes anos”, resumiu o coordenador de contraterrorismo da organização, Nathan Sales, de acordo com a Bloomberg. “Deixou que o EI absorvesse o impacto dos esforços mundiais de contraterrorismo enquanto se reconstituía pacientemente. Aquilo que vemos hoje em dia é uma Al-Qaeda forte como sempre foi.” De tal forma que utiliza todas as armas disponíveis, inclusive o humor, para atacar o grupo rival.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)