Rádio Observador

Governos Regionais

Albuquerque diz que PSD vai ganhar com maioria eleições regionais de setembro

110

Miguel Albuquerque referiu que o povo madeirense vai dizer não ao "colonialismo de Lisboa" e que "António Costa será derrotado no dia 22", porque se a esquerda ganhar "significa mudar para pior".

O PSD/Madeira fez esta terça-feira o comício de apresentação da lista de candidatos a deputados à Assembleia Legislativa Regional que contou com a participação do presidente honorário do partido, Alberto João Jardim

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque, disse esta terça-feira que o partido vai ganhar as eleições legislativas regionais de 22 de setembro com uma maioria que permita governar com estabilidade.

“Nós estamos aqui para ganhar as eleições e vamos ganhar as eleições pela Madeira, mas não queremos ganhar de qualquer maneira, vamos ganhar no terreno, com a população, e vamos ganhar com uma maioria que nos vai permitir governar com estabilidade”, afirmou Miguel Albuquerque, também presidente do Governo Regional, num comício no Largo do Pico dos Barcelos, na cidade do Funchal.

O PSD/Madeira fez esta terça-feira o comício de apresentação da lista de candidatos a deputados à Assembleia Legislativa Regional que contou com a participação do presidente honorário do partido, Alberto João Jardim.

Miguel Albuquerque referiu que o povo madeirense vai dizer não ao “colonialismo de Lisboa” nas eleições de setembro e que “António Costa [secretário-geral do PS e primeiro-ministro] será derrotado no dia 22”, porque se a esquerda ganhar “significa mudar para pior” e a Madeira deixará de ter prosperidade “com governos com comunistas e radicais, com coligações negativas e confusões”.

“O que está em causa no próximo dia 22 não é só não entregar o poder a Lisboa, é manter, na Madeira, um governo que continue a governar para o desenvolvimento e prosperidade de todas as famílias da Madeira”, continuou o líder social-democrata no arquipélago, salientando que o desenvolvimento dos últimos 40 anos não foi só por a região ter tido bons governos.

“Foi [por] termos governos com uma base social alargada, governos com uma base parlamentar sólida que permitiram governar sem sobressaltos, sem confusões e sem bagunças pelo meio”, considerou.

O presidente honorário do PSD/Madeira acusou o “venerando” António Costa de querer subjugar a Madeira a Lisboa, porque “apostou que havia de dominar a Madeira e tomar conta dos madeirenses”.

“Se durante 40 anos resistimos a Lisboa, é altura também de continuar a resistir”, defendeu, apelando: “Que haja juízo e bom senso e não estraguemos o trabalho de 40 anos”.

Para o ex-governante, os madeirenses devem perguntar a António Costa, quando vier à Madeira para a ‘rentrée’ política em 31 de agosto, se é ou não pelo aprofundamento da autonomia.

O secretário-geral do PSD, José Prada, referiu que a lista de candidatos “engloba e mobiliza os 11 concelhos da região”, e é “aquela que melhor representa e defenderá, no próximo parlamento regional, os interesses e direitos de todos os madeirenses e porto-santenses”, chamando a atenção que a região “não se vende a Lisboa” e que “juntos, unidos e mobilizados” o partido ganhará mais uma maioria absoluta.

Nas eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira em 29 de março de 2015 e segundo o mapa oficial da Comissão Nacional de Eleições (CNE), o PSD, de Miguel Albuquerque, conquistou a 11.ª maioria absoluta ao obter 56.574 votos (44,36%), elegendo 24 dos 47 mandatos no parlamento regional.

O PSD é poder na Madeira há 43 anos, 37 dos quais sob a liderança do ex-presidente do Governo Regional e presidente honorário do partido, Alberto João Jardim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
142

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)