Rádio Observador

Presidente Trump

Trump assume “agradável” conversa com primeira-ministra dinamarquesa após polémica

A relação do presidente dos EUA com o Mette Frederiksen ficou tremida por causa da Gronelândia mas parece que já está tudo resolvido. "Ela foi muito agradável. Acordámos voltar a falar", afirmou Trump.

JULIEN DE ROSA/EPA

O Presidente dos Estados Unidos da América confirmou ter tido uma “agradável” conversa por telefone com a primeira-ministra da Dinamarca, depois de ter acusado Mette Frederiksen de dar uma resposta “horrível” sobre a intenção de compra da Gronelândia.

“Ela foi muito agradável. Acordámos voltar a falar mais para a frente”, disse Donald Trump em declarações aos jornalistas na sexta-feira.

De acordo com o chefe de Estado norte-americano, a iniciativa partiu da primeira-ministra, pelo que “foi ela que ligou” para Washington, o que agradou a Trump.

A conversa entre os líderes dos dois países aconteceu na quinta-feira, dois dias depois de o Presidente dos Estados Unidos ter anunciado no Twitter que decidira cancelar a visita que iria fazer à Dinamarca no início de setembro, devido à intransigência do Governo daquele país em conversar sobre a venda da Gronelândia.

De acordo com a Casa Branca, a conversa entre Donald Trump e Mette Frederiksen foi “construtiva”.

Na quarta-feira, Donald Trump criticou o tom “horrível” das declarações da primeira-ministra da Dinamarca, que considerou que a intenção de Donald Trump de comprar a Gronelândia era um “absurdo”.

“Achei que a declaração da primeira-ministra sobre a ideia ser um ‘absurdo’ era horrível, bastava dizer que não estão interessados, foi inapropriado”, disse o Presidente norte-americano no relvado dos jardins da Casa Branca.

Na sua opinião, a Dinamarca podia “simplesmente ter dito que não” e não pode tratar os Estados Unidos da América (EUA) como “quando Obama era Presidente”.

“Harry Truman teve a ideia, eu tive a ideia, outros tiveram a ideia, mas o tema está presente desde o princípio de 1900. Era uma boa ideia porque a Dinamarca está a perder 700 milhões de dólares por ano com a Gronelândia, e isso não lhes faz bem nenhum, mas bastava dizerem que não, e não dizer que era uma ideia absurda, porque ela não está a falar comigo, está a falar com os EUA, e não se fala com os EUA dessa maneira, pelo menos comigo [na Presidência]”, concluiu Trump.

As declarações de Trump surgiram em resposta aos comentários da primeira-ministra da Dinamarca, que se mostrou “contrariada” com o cancelamento da visita de Trump ao seu país, mas rejeitou a ideia de uma crise entre os dois países.

A Casa Branca anunciou na terça-feira à noite que a visita de Donald Trump à Dinamarca, agendada para os dias 02 e 03 de setembro, tinha sido cancelada.

Na semana passada, a imprensa dos EUA revelou que Donald Trump tinha perguntado sobre a possibilidade de os Estados Unidos comprarem a Gronelândia, um vasto território autónomo dinamarquês com cerca de 56.000 habitantes.

Trump, em seguida, colocou uma série de mensagens na rede social Twitter a confirmar o seu interesse na ilha gelada do Ártico, desencadeando uma série de reações, entre indignação e estupefação, na Gronelândia e na Dinamarca.

Ainda na quarta-feira, Donald Trump afirmou que “a Dinamarca é um país muito especial, com pessoas incríveis”, mas notou que iria adiar a reunião programada entre os dois líderes “para daqui a duas semanas, para outro momento”.

A casa real dinamarquesa, que fez o convite para a visita de Trump, expressou “surpresa” no anúncio do cancelamento da sua viagem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)