Rádio Observador

França

Visitantes de zoo escrevem nome na pele de um rinoceronte

744

Os dois visitantes usaram as unhas para escrever o nome no dorso de Noëlle, uma fêmea de 35 anos, raspando pó, areia e pele morta. Atitude gerou uma onda de críticas ao zoo.

“Camille” e “Julien” foram os dois nomes escritos no dorso de uma fêmea de rinoceronte no zoo La Palmyre, em Royan, no sudoeste de França, no passado domingo. A partilha das fotografias nas redes sociais originou uma onda de críticas. O zoo, num comunicado divulgado pela Royan News, disse estar “indignado com a estupidez e desrespeito” por parte dos visitantes.

Os visitantes usaram as unhas para escrever o nome no dorso de Noëlle, a fêmea de 35 anos, raspando pó, areia e pele morta, contou Pierre Caillé, diretor do zoo, explicando que o animal não ficou com marcas. “O animal pode nem se ter apercebido. Limpámos rapidamente as inscrições e não houve qualquer dano para o animal.” Valeu ao animal a proteção da pele grossa que pode ter 1,5 e cinco centímetros de espessura.

Naquele zoo, as barreiras entre os animais e as pessoas permitem que os visitantes possam tocar nos animais. A intenção do zoo é que os visitantes possam ter uma experiência memorável. O zoo afirmou que a maioria dos visitantes tem um contacto respeitador com estes animais e que vão poder continuar a contactar com os rinocerontes, mas admite colocar mais vigilantes junto às instalações para reforçar a educação ambiental do público.

A possibilidade de tocar em animais selvagens pode parecer uma experiência incrível, mas também é fortemente criticada, sobretudo entre quem é contra a permanência de animais selvagens nos zoos.

À Royan News, um visitante queixou-se, esta segunda-feira, não só das inscrições no dorso da rinoceronte, como do facto de o lago dos caimões ser usado como “fonte dos desejos”, para onde se atiram moedas, e de haver à venda uma espécie de pipocas para alimentar os animais. Pierre Caillé voltou a falar da experiência positiva para os visitantes, conforme o comunicado divulgado no Facebook, mas também destacou que é uma forma de evitar que as pessoas tentem alimentar os animais com produtos que não são adequados.

Na madrugada de sexta-feira, pelas 3 da manhã, um incêndio atingiu um armazém de 200 metros quadrados, com 20 toneladas de palha e feno, revela a Royan News numa publicação do Facebook. O comunicado garante que nenhum animal ficou ferido no fogo combatido por 34 bombeiros e cinco camiões.

As primeiras perícias policiais indicavam que poderia tratar-se de um acidente, mas horas depois do incêndio foi detido um homem de cerca de 40 anos, ex-funcionário do zoo, que admitiu ser responsável pelo incidente, lê-se num publicação da Royan News no Facebook. O homem, que vai ser submetido a uma avaliação psiquiátrica, admitiu também ter despejado detergente da loiça na água dos flamingos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)