Rádio Observador

Celebridades

Eduardo Beauté está “finalmente em paz”. A vida do cabeleireiro “exuberante” que morreu aos 52 anos

12.549

O cabeleireiro português morreu esta tarde, avançou o modelo Luís Borges, ex-marido do artista, no Instagram. Tinha 52 anos e deixa três filhos menores. Era "uma morte anunciada", diz Lili Caneças.

Eduardo Beauté chegou a ter um salão na Avenida da Liberdade e era conhecido como "o cabeleireiro dos famosos"

Instagram

Eduardo Beauté era simplesmente Eduardo Ferreira quando, aos 15 anos, se aventurou entre as permanentes e os cortes Chamirro dos anos 80. Nascido na Marinha Grande, foi em Leiria que abriu o primeiro salão em nome próprio. Chamou-lhe “Eduardo Haute-Beauté”. “As pessoas, quando iam ao meu cabeleireiro, diziam que iam ao Eduardo Beauté e assim ficou. Acabei por registar o nome”, contou ao Observador em 2015.

Mas a Marinha Grande não lhe bastava. Foi em Lisboa, com um salão na Avenida da Liberdade que fechou portas por dificuldades económicas, que se tornou no “cabeleireiro dos famosos”. Em declarações à revista Lux em maio de 2016, o artista contou que, ainda na terra natal, foi vítima de “violência física e verbal por ser exuberante e diferente”.

Passou dificuldades económicas durante a juventude porque a mãe havia sido abandonada pelo pai, que se suicidou em 2010 e com quem manteve sempre uma relação distante. Aos 19 anos, antes de assumir a homossexualidade, chegou a ter um filho biológico, mas o bebé morreu aos cinco meses: “O meu filho Rubén Eduardo, que aos 5 meses e alguns dias não resistiu a uma insuficiência pulmonar e partiu para junto de Deus e protege-me até hoje”, escreveu em 2015.

À época, disse acreditar que “os que partem antes de nós, concluíram a sua tarefa e estão livres dos tormentos da vida terrena. Mas, como nos amam, mantém-se ligados a nós pelo pensamento, pelo sentimento e pelo amor que continuam a dedicar-nos. Eles continuam vivos e esperam-nos para o reencontro”.

Passados quatro anos, com 52 anos, Eduardo Beauté foi encontrado sem vida em casa, anunciou o ex-marido Luís Borges nas redes sociais: “É com profunda tristeza que partilho convosco que partiu hoje o pai dos meus filhos. Neste momento de dor, peço que recordem o Eduardo com carinho e respeitem o momento difícil que atravessamos”.

Eduardo Beauté e Luís Borges tinham três filhos. Em setembro de 2016, ao fim de sete anos de relação, cinco dos quais casados, o casal anunciou o divórcio: “Não é uma notícia fácil de dar, nem as palavras fluem de uma forma tão natural quanto eu gostaria, porém devido aos últimos acontecimentos dos quais a minha família foi alvo, chegou a hora de falar sobre o assunto“, publicou o cabeleireiro à época. Sem adiantar os motivos da separação, Beauté pediu privacidade:

Não irei justificar nem explicar os motivos, pois trata-se da nossa privacidade e embora goste de partilhar com vocês várias situações bonitas e felizes das nossas vidas, esta guardaremos só para nós, pelas razões óbvias. Espero que entendam”.

COMUNICADOCaros amigos/as,Venho por este meio comunicar que eu e o Luís estamos em processo de divórcio. Não é uma…

Posted by EDUARDO BEAUTÉ on Tuesday, September 13, 2016

Poucos meses depois, em maio de 2017, Eduardo Beauté deu os primeiros sinais públicos de depressão quando, numa publicação nas redes sociais, confessou que tinha agredido o ex-marido Luís Borges e lhe tinha deixado com “marcas”: “Depois dessas ofensas, levantei-me e dei-lhe uma surra que lhe deixou algumas marcas físicas, mas nada de grave e, ainda assim, nenhuma lhe doeu mais do que a violência verbal de que fui vítimas ao longo de cerca de três anos“, escreveu. A mensagem de Eduardo Beauté resultou numa queixa por violência doméstica, que evoluiu para um inquérito da Procuradoria-Geral da República.

Numa entrevista ao apresentador Manuel Luís Goucha no programa Você na TV! em abril deste ano, Eduardo Beauté confirmou que passou por uma depressão logo após o divórcio de Luís Borges: “Estive muito desesperado. Tinha ataques de pânico e estive medicado, durante dois anos“, confessou. No entanto, esclareceu que nunca teve pensamentos suicidas: “Estive muito desesperado, mas eu olhava para os meus filhos e era impensável”.

Acerca da separação, Eduardo Beauté explicou: “Há um tempo para cá que me sinto resolvido. Estou a viver aquilo que aprendi até aos 40 anos. Na altura do meu casamento, fiquei com um esgotamento muito grande. Foi o fim de um sonho e o desmoronar de uma família linda. Três filhos lindos…. e ficava, ali, a faltar um elemento”.

Quando pedi o divórcio, era mais para uma represália e para o assustar, mas ele é tão teimoso como eu. Não funcionou e foi a partir daí que eu tive uma grande depressão e um esgotamento”, acrescentou.

Todos esses episódios constam no livro “À Procura de Uma Família”, editado pela Chiado em junho de 2019. Na obra, o cabeleireiro escreveu sobre as memórias mais marcantes da sua vida, inclusivamente sobre as situações de “violência, bullying, abusos, drogas, amores e desamores”: “Quero cumprir o que desde miúdo sei ser a minha missão no mundo. Dar-lhe a minha voz. Faltava-me o livro. Não faltará mais. Ele está aqui para ser lido, relido, sublinhado, rasurado, aditado. Mas nunca para ser apagado. Não apagaria nada. Tudo contribuiu para que fosse quem hoje sou”, escreve.

Eduardo Beauté era devoto de Nossa Senhora de Fátima e visitava regularmente o santuário, no concelho de Ourém, contou ele ao Observador. A figura maternal de Nossa Senhora ajudou-o a introduzir uma figura materna na vida dos filhos, que adotou com Luís Borges: “É a mãe deles do coração”, concretiza. Quando a família visitava aquele local de culto em Fátima, Eduardo Beauté reforçava: “Aquela senhora que está ali naquela redoma é a vossa mãe”.

“Uma morte anunciada”

Lili Caneças comentou a publicação de Luís Borges no Instagram para lamentar a morte do amigo: “Uma morte anunciada. Despedi-me dele há 2 meses. Sinto muito”, escreveu. Muitos outros famosos têm publicado ícones como corações, símbolos de tristeza e flores na publicação para expressar o luto. É o caso de Carolina Loureiro, Sara Matos, Sara Sampaio e April Ivy.

Numa publicação nas redes sociais, o ator António Pedro Cerdeira disse-se “chocado” com a morte do “amigo” e “irmão” Eduardo Beauté: “Não tenho palavras e tenho o coração a chorar. Estou em choque e a passar os momentos que passámos juntos e o enorme privilégio da tua amizade e amor. Não se agradece, não há palavras, sou e continuarei a ser o padrinho do teu filho. Choro. Que tenhas a paz que te faltou aqui e tudo o que mereces pois tu eras, és,daquelas pessoas que trazem algo de melhor e bom para a vida dos outros. Amigo, irmão, pedaço do meu coração”.

O apresentador Flávio Furtado também reagiu à morte de Eduardo Beauté: “Até um dia. Descansa, finalmente, em paz”, publicou ele numa fotografia a preto e branco do cabeleireiro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)