Rádio Observador

Estados Unidos da América

Sexta morte provocada por cigarros eletrónicos confirmada nos Estados Unidos

360

Os EUA estão a investigar a morte de uma mulher após ter utilizado cigarros eletrónicos. Vítima morreu após os pulmões se encherem de líquidos. Autoridades pedem para não se usarem e-cigarros.

As autoridades estão a estudar outras 478 pessoas que desenvolveram complicações respiratórias

Europa Press via Getty Images

Uma mulher morreu no estado norte-americano do Kansas por causa de complicações de saúde provocadas pela utilização de cigarros eletrónicos, confirmou esta terça-feira o Departamento de Saúde. A mulher tinha mais de 50 anos e já era seguida pelos médicos por outros problemas de saúde, mas piorou assim que começou a usar estes produtos. É a sexta morte relacionada com a utilização de cigarros eletrónicos nos Estados Unidos.

Lee Norman, membro do Departamento da Saúde e do Ambiente do estado do Kansas, confirmou à NBC News que “a paciente apresentava algumas doenças médicas subjacentes, mas nada que antecipava o facto de, uma semana depois de começar a usar o cigarro eletrónico pela primeira vez, começar a desenvolver a síndrome do desconforto respiratório agudo que lhe matou”. Segundo a especialista, os pulmões da mulher encheram-se de fluídos, provocando-lhe a morte.

Além das seis mortes relacionadas com a utilização de cigarros eletrónicos — as outras foram registadas nos estados de Illinois, Indiana, Oregon, Minnesota e Califórnia —, as autoridades estão a estudar outras 478 pessoas que desenvolveram complicações respiratórias à conta desses dispositivos. É um aumento de 28 casos em relação ao número avançada na sexta-feira pelo Centro de Controlo de Doenças (CDC) nos Estados Unidos.

Na semana passada, quando foi anunciada a terceira morte provocada pelos cigarros eletrónicos, as autoridades norte-americanas pediram para que a população deixasse de usar estes produtos enquanto decorrem as investigações em redor destes casos. “Embora não saibamos quais as substâncias prejudiciais, é importante que as pessoas saibam que, ao usar estes produtos, não sabem tudo sobre o que estão a inalar e os danos que isso pode provocar”, disse Kris Box, responsável pelo Departamento de Saúde do Indiana.

Os governadores norte-americanos já estão a reagir. A governadora do estado do Michigan, Gretchen Whitmer, decretou esta semana a proibição de venda de cigarros eletrónicos com sabores, acusando as empresas de publicidade enganosa, “para viciar crianças com a nicotina”. E ordenou que o Departamento de Saúde do Michigan emitisse regras de emergência para a venda de produtos com vapores de nicotina aromatizados.

Por norma ,os doentes queixam-se de falta de ar, tosse, dor no peito, episódios de vómitos, diarreias, fadiga, febre e perda de peso. A origem do problema pode ser o uso de óleos de produtos com THC, uma substância psicoativa da canábis. “Nós não ligamos nenhum desses ingredientes específicos aos casos atuais, mas sabemos que o aerossol emitido por estes cigarros não é inofensivo. Em alguns casos, isso pode ter ocorrido, mas agora estamos a monitorizar. Temos que continuar com a investigação”, explicou o Centro de Controlo de Doenças (CDC).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)