Rádio Observador

Brasil

Justiça brasileira autoriza Lula da Silva a ser ouvido pelo Conselho de Direitos Humanos

114

O ex-Presidente brasileiro Lula da Silva terá uma audiência, na próxima semana, com membros do Conselho Nacional de Direitos Humanos, após autorização concedida por juíza de Curitiba.

O ex-Presidente brasileiro Lula da Silva está preso desde abril de 2018

Fernando Bizerra Jr./EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ex-Presidente brasileiro Lula da Silva terá uma audiência, na próxima semana, com membros do Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), após autorização concedida pela juíza da 12.ª Vara Federal de Curitiba, Carolina Lebbos.

A visita do órgão à sede da Polícia Federal de Curitiba, onde Lula está preso desde abril de 2018, está prevista para a próxima terça-feira (17).

O pedido partiu do próprio CNDH, que pretende apurar denúncias de possíveis “violações de garantias constitucionais e direitos humanos” no processo em que Lula é réu.

As mensagens trocadas entre procuradores da operação Lava Jato, o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e outras autoridades, reveladas pelo ‘site’ The Intercept e por outros ‘media’, estão na base das denúncias.

“A defesa do ex-Presidente Lula entende que será uma oportunidade para aprofundar o debate técnico sobre as denúncias de grosseiras violações de direitos humanos que ele vem sofrendo no âmbito da operação Lava Jato. As referidas violações foram comunicadas ao Comité de Direitos Humanos das Nações Unidas já em 2016 num processo com amplo conjunto probatório”, afirmaram os advogados do antigo mandatário, em comunicado.

Além de uma vistoria ao local onde Lula está preso, os conselheiros do Conselho Leandro Gaspar Scalabrin, Leonardo Penafiel e Ismael José Cesar irão ouvir o antigo chefe de Estado.

Sergio Moro e procuradores da Operação Lava Jato estão envolvidos num escândalo, conhecido como “Vaza Jato”, que começou em 09 de junho, quando o ‘site’ The Intercept Brasil e outros ‘media’ parceiros começaram a divulgar reportagens que colocam em causa a imparcialidade da maior operação contra a corrupção no país.

Baseadas em informações obtidas de uma fonte que não foi identificada, estas reportagens apontam que Moro terá orientado os procuradores da Lava Jato, indicado linhas de investigação e adiantado decisões enquanto era juiz responsável por analisar os processos do caso em primeira instância.

Se confirmadas, as denúncias indicam uma atuação ilegal do antigo magistrado e dos procuradores brasileiros porque, segundo a legislação do país, os juízes devem manter a isenção e, portanto, estão proibidos de auxiliar as partes envolvidas nos processos.

Luíz Inácio Lula da Silva cumpre pena de oito anos e dez meses de prisão na sede da Polícia Federal na cidade de Curitiba, como parte de uma condenação já confirmada em segunda instância.

Lançada em 2014, a Lava Jato, maior operação contra a corrupção no Brasil, trouxe a público um gigantesco esquema corrupto de empresas públicas, implicando dezenas de altos responsáveis políticos e económicos, e levando à prisão de muitos deles, como Lula da Silva.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)