Rádio Observador

Astrofísica

Vapor de água detetado num exoplaneta na zona habitável da sua estrela pela primeira vez

798

A água é comum no universo, mas isso não quer dizer que seja fácil de detetar. Agora, duas equipas encontraram-na num planeta duas vezes maior que a Terra — e numa zona habitável da sua estrela.

Os planetas K2-18 b e K2-18 c junto à estrela anã-vermelha, na constelação de Leão

Alex Boersma

As moléculas de água são abundantes no universo e até já tinham sido detetadas nos planetas gigantes gasosos, mas esta é a primeira vez que se deteta num exoplaneta na zona habitável da sua estrela — ou seja, à distância certa para que seja possível a existência de água no estado líquido (nem demasiado frio, nem demasiado quente). A descoberta foi feita em paralelo por duas equipas e publicada, esta quarta-feira, na Nature Astronomy e no arXiv.org, um repositório de artigos científicos.

“O grande salto aqui é que se trata de um planeta mais pequeno [do que os gigantes gasosos, como Júpiter], que está à distância certa da sua estrela para se poder dizer que está na zona habitável”, diz ao Observador Nuno Santos, investigador no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, num comentário sobre a descoberta.

Quanto mais pequeno o planeta, menor a sua atmosfera, e quanto menor a atmosfera, mais difícil é estudar os sinais que permitiram encontrar e identificar as moléculas nessa camada. Daí que esta descoberta seja tão interessante para o investigador: trata-se de um planeta relativamente pequeno — ainda assim, o dobro do tamanho da Terra e oito vezes a sua massa —, com uma atmosfera pequena, mas, ainda assim, foi possível encontrar sinais que indicavam a presença de água.

De uma forma simplificada, o que os cientistas analisaram foi a luz da estrela que atravessa a atmosfera — mas com uma estrela muito menos luminosa que o Sol. A atmosfera funciona como um filtro em que cada molécula absorve a radiação da estrela de maneira diferente. Ler as cores que o filtro deixa passar, que é como quem diz analisar o espetro de luz, permite perceber que moléculas estão presentes, porque cada uma tem um comportamento próprio — é quase como comparar impressões digitais.

Com os resultados obtidos a partir do Telescópio Espacial Hubble, a equipa do University College London espera poder usar equipamentos mais sensíveis e procurar outras moléculas que não tenham sido agora encontradas. “Os resultados agora apresentados confirmam a existência de uma atmosfera detetável em torno do [planeta] K2-18 b, tornando-a um dos mais interessantes alvos para futura caracterização atmosférica com o Telescópio Espacial James Webb ou a missão Ariel da Agência Espacial Europeia”, escreveram os autores na Nature Astronomy.

O planeta K2-18 b, a orbitar uma estrela anã-vermelha, foi descoberto em 2015, pelo telescópio espacial Kepler, e encontra-se a 34 parsec da Terra — qualquer coisa como mil biliões de quilómetros. Como está a “apenas” 21 milhões de quilómetros da sua estrela, encontra-se dentro da zona habitável daquele sistema estelar e tem uma temperatura estimada entre -73,15 e 46,85 graus Celsius.

Nuno Santos lembra, no entanto, que estar na zona habitável e ter vapor de água na atmosfera não chega para dizer que pode ter vida. Basta olhar para Vénus, no nosso sistema solar, que cumpre estes dois requisitos, mas que é claramente incompatível com a existência de organismos vivos.

Para existir vida como a conhecemos na Terra, o planeta também tem de ter água no estado líquido. Mas o K2-18 b pode não ser um planeta rochoso como a Terra. Tem um núcleo denso, mas o resto será atmosfera, o que torna mais difícil a presença de água líquida. Além disso, haver água não quer dizer que exista vida.

“Detetar vida é um desafio muito interessante, porque não é muito claro qual é o elemento que podemos detetar que nos diga sem ambiguidade que existe vida nesse planeta”, diz Nuno Santos. “Provavelmente o melhor candidato neste momento é o oxigénio. Se detetarmos oxigénio num planeta parecido com a nossa Terra poderá ser uma indicação que existirá vida a produzir esse oxigénio”, continua. “Mas mesmo isso não é completamente garantido.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)