O arranque da 24ª edição dos Globos de Ouro prometeu solenidade. No Coliseu dos Recreios, em Lisboa, o espetáculo teve como número de entrada a performance de quase 50 elementos da Companhia Nacional de Bailado. Cristina Ferreira foi a anfitriã de uma noite marcada pela mudança no calendário — pela primeira vez, a gala aconteceu em setembro e não em maio, como é habitual — e pela introdução de novas categorias — as de Personalidade do Ano nas áreas de Entretenimento, Digital, Humor e Jornalismo.

O cinema inaugurou o contador de prémios, não sem antes a plateia ouvir Sérgio Praia, na sua versão de António Variações, a interpretar o tema “Estou Além”. Na sétima arte, Carloto Cotta ficou com a estatueta de Melhor Ator. Já “Raiva”, de Sérgio Tréfaut, foi considerado o Melhor Filme, segundo o grupo de notáveis que, edição após edição, delibera os destinatários dos prémios. Pelo desempenho nesse mesmo filme, Isabel Ruth venceu o Globo de Ouro de Melhor Atriz. Aos 79 anos, a veterana do cinema e do teatro português recordou o início da carreira, ao mesmo tempo que saudou uma nova geração de estrelas femininas.

Isabel Ruth recebe o Globo de Ouro de Melhor Atriz de Cinema © Melissa Vieira/Observador

O irlandês Gavin James foi a grande atração internacional da noite. Entoou o sucesso “Always” e abriu caminho para o globo de moda, o único depois de esta área ter sido reduzida de três para apenas um prémio. Sara Sampaio ficou como Personalidade do Ano e teve oportunidade de agradecer através de uma mensagem previamente gravada.

Seguiram-se as categorias musicais. Os Capitão Fausto foram premiados como Melhor Intérprete (onde também Conan Osíris estava nomeado), enquanto o tema “A Vida Toda” valeu a Carolina Deslandes o Globo de Ouro de Melhor Música. Quem também subiu ao palco para receber um globo foi Mariza, a quem coube, assim, inaugurar uma nova categoria dos prémios da SIC, a de Melhor Espetáculo ao Vivo. Para trás, ficaram outros quatro nomeados ao prémio, por sinal, quatro homens — Agir, António Zambujo, Miguel Araújo e Tiago Bettencourt.

O Prémio Revelação foi para o futebolista João Félix, que partilhava a indicação com as atrizes Isabela Valadeiro e Alba Baptista, Conan Osíris e o comediante Pedro Teixeira da Mota. Mais uma vez, o vencedor não esteve presente, mas discursou à distância através de um vídeo.

Mariza sobe ao palco para receber o Globo de Ouro de Melhor Espetáculo ao Vivo © Melissa Vieira/Observador

Humor, outra das novas categorias, acabou por sagrar vencedor Ricardo Araújo Pereira. Os apresentadores Rui Unas e Marco Horácio acabariam por não entregar o globo nas mãos do humorista, que também discursou (e ainda ameaçou fazer uma leitura d’Os Maias) em formato vídeo. A cena repetiu-se na entrega do prémio Personalidade do Ano na área de desporto (também este reduzido a um só prémio, tal como a moda). Cristiano Ronaldo somou mais um Globo de Ouro e agradeceu à distância.

Na categoria de Personalidade do Ano na área de jornalismo, foi a veterana da SIC Conceição Lino a levar o globo para casa. Os Vocalistas, Marco Rodrigues, os Velha Capital, Marco Paulo e Elisabete Matos protagonizaram uma homenagem a Amália Rodrigues. Aurea e Marisa Liz proporcionaram outros dos momentos musicais da noite. Mariana Cabral, autora do canal de YouTube Bumba na Fofinha, arrecadou o mesmo prémio na categoria digital.

A cerimónia seguiu com os prémios de teatro. Luísa Cruz foi distinguida como Melhor Atriz pela peça “A Criada Zerlina”, aproveitando a subida ao palco para dedicar o globo a todos os que vivem “sem voz”. Na categoria de Melhor Ator, venceu Paulo Pinto, pelo desempenho em “Tio Vânia”, que viria a conquistar o prémio de Melhor Peça/Espetáculo. No palco, discursou o encenador Bruno Bravo, recebido pelos atores brasileiros Vera Holtz e Marcos Caruso.

Cristina Ferreira recebe o Globo de Ouro de Personalidade do Ano na área de entretenimento © Melissa Vieira/Observador

Na reta final da cerimónia, foi a própria anfitriã a subir ao palco para se sagrar Personalidade do Ano na área de entretenimento. Daniela Ruah, Filomena Cautela, Vasco Palmeirim e Diana Chaves também estavam nomeados, mas foi Cristina Ferreira, que há um ano estava a trocar a TVI pela SIC, quem ficou com o Globo de Ouro. No discurso, a apresentadora começou por admitir um desconforto inicial perante a possibilidade de ganhar numa das categorias a prémio na cerimónia. “Mas depois percebi que quero. E quero porque é justo, acima de tudo”, afirmou. “A televisão deve servir o público […] dando-lhe o que é devido — a emoção, a surpresa, a entrega a paixão, o coração — e isso eu faço desde o primeiro minuto e faço-o agora numa casa onde estou muito feliz, onde posso, desde o início, fazer aquilo que considero ser boa televisão”, concluiu.

Maria do Céu Guerra e Bárbara Guimarães, as homenagens da noite

No final da noite, Francisco Pinto Balsemão subiu ao palco do coliseu para entregar o habitual Prémio Mérito e Excelência. Maria do Céu Guerra foi a recetora da derradeira homenagem da noite. Num discurso curto, a atriz de 76 anos começou por fazer referência ao fim da ditadura em Portugal e à liberdade de expressão. “Penso no princípio da minha vida e penso em como ela era mais pobre por dentro e em como estes 45 anos sem censura nos permitiram crescer, ter opinião, ser grandes. Foi o prémio maior e mais irreversível que este país ganhou”, referiu a atriz.

Na segunda parte do discurso, dirigiu uma mensagem a Fernanda Montenegro que, aos 89 anos, é uma figura de proa na luta pela preservação da liberdade de expressão da comunidade de autores e criadores no Brasil e que, recentemente, se tornou alvo de ataques. “Tenho de me lembrar da minha querida amiga Fernanda Montenegro, que está no Brasil em dificuldades e a ser insultada por um governo que não merece aquele país. Queria que estas palmas fossem devolvidas à Fernanda Montenegro”, concluiu.

Bárbara Guimarães com Bento Rodrigues no palco dos Globos de Ouro © Melissa Vieira/Observador

Esta não foi a única homenagem da noite. Ainda a gala ia a meio quando uma silhueta feminina surgiu no meio do palco. Era Bárbara Guimarães, a apresentadora histórica dos Globos de Ouro. Depois de meses afastada das câmaras, começou por revelar que se encontra ainda em fase de tratamentos para o cancro. “A vida também nos põe à prova. Nunca tive medo de desafios e este não é diferente. Continuo forte, continuo a acreditar que estou a tentar conseguir vencer este duelo, tal como tantas e tantas mulheres, e que não é fácil”, referiu num discurso emocionado.

Na fotogaleria, veja as imagens dos momentos que marcaram a gala da 24ª edição dos Globos de Ouro.