Os duques de Sussex vão processar um jornal inglês devido à cobertura noticiosa que tem sido feita de Meghan Markle. Num longo comunicado divulgado esta quarta-feira, dia 2 de outubro, o príncipe escreve que a mulher tornou-se “numa das últimas vítimas da imprensa tabloide britânica que faz campanhas contra indivíduos sem pensar nas consequências — uma campanha implacável que escalou no último ano”.

O jornal em causa é o Mail on Sunday, que vai ser processado pelos duques depois de ter publicado parte de uma carta escrita à mão por Meghan Markle endereçada ao pai. O artigo onde constam fotografias da carta continua online e data de fevereiro de 2019.

“Existe um custo humano para esta propaganda implacável, especificamente quando é conscientemente falsa e maliciosa, e apesar de termos continuado a pôr uma cara corajosa — como muitos de vocês se podem identificar –, não consigo começar por descrever o quão doloroso tem sido. Porque na era digital de hoje, as fabricações da imprensa são reaproveitadas como verdade em todo o mundo”, lê-se ainda no mesmo comunicado que enfatiza a necessidade de uma cobertura noticiosa “objetiva e verdadeira”.

É por esta razão, escreve Harry, que vão processar o jornal Mail on Sunday e a respetiva empresa-mãe, Associated Newspapers, uma ação judicial que será inteiramente suportada a nível pessoal pelos duques. O processo em causa está há meses a ser preparado. “A cobertura positiva da última semana destas mesmas publicações expõe os padrões duplos desta imprensa que tem vilipendiado Meghan quase diariamente nos últimos nove meses; eles têm conseguido criar mentira atrás de mentira à sua custa simplesmente porque ela não esteve visível durante a licença de maternidade. Ela é a mesma mulher que era há um ano, no dia do nosso casamento, tal como é a mesma mulher que viram nesta tour a África.”

Chega a um ponto quando a única coisa a fazer é enfrentar este comportamento, porque destrói pessoas e destrói vidas. Simplificando, isto é bullying, o que assusta e silencia as pessoas”, lê-se ainda.

Harry esclarece ainda que durante todo este processo tem sido uma “testemunha silenciosa” do sofrimento da mulher e explica que os conteúdos da carta privada foram publicados ilegalmente de maneira a manipular o leitor. “Além da publicação ilegal deste documento privado, [eles] propositadamente enganaram-no [ao leitor] ao omitir estrategicamente parágrafos, frases específicas e palavras em particular para mascarar as mentiras que perpetuaram durante mais de um ano”, continua.

O príncipe chega ao ponto de recordar a perda da mãe, Diana de Gales, para explicar o quão preocupado está com a mulher: “O meu maior medo é que a história se repita outra vez. Eu vi o que acontece quando alguém que amo é transformado numa mercadoria ao ponto de já não serem tratados ou vistos como uma pessoa real. Perdi a minha mãe e agora vejo a minha mulher a ser vítima das mesmas forças poderosas”.

Todo o dinheiro que resultar desta ação será doado a uma instituição de caridade apostada em combater o bullying.