O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira que está “ótimo” de saúde e que deverá realizar um cateterismo durante as próximas duas ou três semanas num hospital público português.

Em declarações aos jornalistas em Atenas, onde o chefe de Estado se encontra a participar na reunião do Grupo de Arraiolos, Marcelo garantiu que não vai “alterar programa nenhum” por causa de questões de saúde.

“Hei de encontrar um dia, uma tarde, para completar os exames que fiz, porque mais vale prevenir do que remediar. Havendo a possibilidade de fazer um exame para completar aqueles que foram feitos, num caso muito específico que é garantir que a calcificação num vaso sanguíneo não tem problemas no futuro”, explicou Marcelo.

“Não é no presente, é no futuro. Farei esse exame quando tiver uma ocasião, e essa ocasião será nas próximas semanas, daqui por duas semanas ou três”, insistiu o Presidente da República.

Questionado sobre se se sente bem, afirmou que está “ótimo”. “Sinto-me bem, otimamente, ainda ontem à noite quase cinco quilómetros”, assegurou.

Sobre os motivos que levaram a que o tema da saúde presidencial surgisse agora, Marcelo respondeu apenas que foi “porque calhou”. “Estive calado durante o período da campanha eleitoral e a primeira entrevista que estava marcada, para ser difundida, e que foi gravada, foi aquela em que me perguntaram pela saúde, e eu respondi”, disse Marcelo.

A possibilidade de uma recandidatura não está, para já, em discussão. Assegurando que em breve se saberá se continua bem de saúde, “o anúncio de uma candidatura só poderá ser mais próximo das eleições”.

O tema surgiu esta quinta-feira, quando foi divulgado um excerto de uma entrevista de Marcelo ao programa da SIC Alta Definição, que vai para o ar na íntegra no próximo sábado. Questionado sobre a sua saúde, Marcelo explicou que fez exames ao coração recentemente e que ainda tinha de fazer um cateterismo para esclarecer uma “dúvida”.

Na mesma entrevista, o Presidente da República deu a entender que uma eventual recandidatura ao cargo dependerá do estado de saúde e especificamente do resultado do exame que será feito nas próximas semanas.