O Presidente da República admitiu ter um problema cardíaco, em entrevista à SIC. Marcelo Rebelo de Sousa está a aguardar resultados de exame médico, que irão determinar a recandidatura à presidência. O Presidente irá fazer um cateterismo em breve. Fonte da Presidência confirmou esta informação ao Observador.

No programa Alta Definição, que só vai para o ar no próximo sábado, Marcelo Rebelo de Sousa começa por contar que o facto de tanto o seu avô como o seu pai terem problemas cardíacos o levou a fazer exames. Isso e o facto de se considerar “hipocondríaco”.

“Os exames genericamente estão bem, mas restou a uma dúvida que vai obrigar a um novo exame. Vou ter que fazer daqui a umas semanas um cateterismo” revelou.

O Presidente da República explicou que em “determinado vaso sanguíneo, há a acumulação de cálcio” e que o objetivo do exame será “ver se essa acumulação de cálcio está num grau excessivo, não está num grau excessivo e o que significa”.

Questionado sobre se a recandidatura à presidência poderá estar em causa, o Presidente admite que “depende por isto porque falta, apesar de tudo, um ano para a recandidatura e, para a eleição falta um ano e mais uns meses” apontou. Marcelo tem, no entanto, uma certeza: não vai “mudar de estilo” de presidência —”uma presidência próxima” que significa que é “próxima também fisicamente”.

Eu não vou mudar de estilo. Se for candidato, se for eleito, não vou fechar-me no palácio, deixar de ir para me preservar, para não me expor”, apontou.

O Presidente não conseguiu dar uma resposta, quando questionado se se recandidataria se as eleições fossem hoje. “Sei lá eu”. “O resultado das eleições legislativas não criou nenhum fator perturbador de uma recandidatura“, disse, deixando depois a ideia de que “em termos de percentagem” está hoje mais próximo da recandidatura do que o inverso.