A Direção do Sporting enviou uma carta registada às claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI para que abandonem os respetivos espaços na zona adjacente do estádio nos próximos cinco dias. A medida, que esteve sempre em cima da mesa a partir da revogação do protocolo com as claques no passado domingo, ficou pendente pelas dúvidas sobre o real proprietário da zona onde se concentra a Casinha da Juve Leo mas, esclarecida essa situação, a Direção verde e branca avançou para essa ordem de despejo. Assim, o encontro do próximo domingo, com o V. Guimarães, será o último em Alvalade com ambos os espaços abertos.

Sporting acabou protocolo com claques mas isso foi tudo menos o fim de guerra: as últimas 120 horas em Alvalade

Em paralelo, existem informações de que a venda de ingressos para a partida com os minhotos nos setores A14 e A16 do estádio, onde estão concentradas ambas as claques, terá sido bloqueada. Na venda online, para sócios e adeptos, não existe possibilidade de comprar bilhetes para qualquer setor da bancada A do topo sul.

Sporting rescinde protocolos com Juve Leo e Directivo XXI. “É altura de dizer basta” a “comportamentos violentos”

De referir também que, atendendo à data de entrega da carta registada, as duas claques terão de retirar todos os seus pertences até ao feriado de 1 de novembro (sexta-feira), dia em que se vai realizar no estádio e nas imediações a Corrida Sporting Mário Moniz Pereira. Antes, no dia 30 de outubro (quinta-feira), a equipa de futebol dos leões irá deslocar-se a Paços de Ferreira num encontro a contar para o Campeonato.

Juve Leo invade central do Pavilhão em jogo de futsal, Varandas sai escoltado do recinto

Antes do encontro de futebol com os minhotos, haverá no Pavilhão João Rocha (que segue as mesmas restrições do que o estádio) três jogos das modalidades: este sábado, a equipa de voleibol recebe o Leixões às 15h, seguindo-se a partida de basquetebol com o Maia (18h); no domingo, o voleibol volta a entrar em campo com o V. Guimarães (17h30). Recorde-se que a situação limite que levou a Direção a “rasgar” o protocolo deu-se num jogo de futsal com os Leões de Porto Salvo, no passado sábado à noite. Segundo soube o Observador, elementos da claque falaram depois com membros da equipa de futsal, explicando que nunca quiseram faltar com o apoio à equipa.

“Falta de rumo” e “gestão danosa” do Sporting. Claques questionam legalidade da rescisão do protocolo

De referir que, além da proibição da entrada de tarjas, bandeiras, megafones e tambores para essas duas claques (o que não se aplica a Torcida Verde e Brigada Ultras Sporting), o fim do protocolo retirou outras regalias aos dois grupos organizados de adeptos, a saber: perda das Gamebox do futebol e das modalidades; impossibilidade de adquirir em mais prestações; fim da compra de bilhetes especiais por quase metade do preço; quebra dos subsídios nas viagens; e privação de participar nas coreografias comuns naquele recinto.

Sem Varandas, sem tarjas, sem protestos – e com a central a cantar com as claques do Sporting no hóquei

Nos dois encontros seguintes, as claques tiveram comportamentos diferentes – que coincidiram também com a presença ou não de Frederico Varandas. No hóquei em patins, onde o topo sul do Pavilhão João Rocha voltou a estar quase lotado, houve um apoio ao longo dos 50 minutos da partida com a Oliveirense (4-3) que chegou a merecer aplausos de pé no final por parte dos associados com lugar cativo na central; no futebol, com o Rosenborg, os setores A14 e A16, não estando cheios, tiveram uma boa moldura que apoiou os jogadores durante os 90 minutos antes de voltar aos cânticos contra o presidente verde e branco, que estava na tribuna, bem percetíveis (até pelos lenços brancos) e audíveis apesar do aumento do volume da instalação sonora do estádio.