O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pediu este sábado aos brasileiros para não darem “munição ao canalha”, que disse estar “livre, mas carregado de culpa”, um dia depois da libertação do antigo chefe de Estado Lula da Silva.

“Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa”, escreveu hoje Jair Bolsonaro na sua conta no Twitter, no dia seguinte à libertação de Lula da Silva:

Juntamente com o comentário, Bolsonaro reuperou um discurso onde elogia Sérgio Moro, atualmente ministro da Justiça e Segurança Pública, que foi também o juíz que condenou o ex-presidente Lula da Silva quando julgou os casos da operação Lava Jato. Moro também já reagiu à libertação, através da mesma rede social, lembrando que apesar de respeitar a decisão do Supremo ela pode ser alterada:

Numa outra mensagem publicada poucos minutos depois da primeira, Bolsonaro acrescentou ainda que o país iniciou “há poucos meses a nova fase de recuperação” e que este “não é um processo rápido”.

O antigo Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva saiu sexta-feira em liberdade após o Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) ter decidido anular prisões em segunda instância, como era o caso do antigo chefe de Estado, preso desde abril de 2018 por corrupção.