O mote é “unir aliados inesperados por uma missão comum: mobilizar o mundo para responder à crise climática como este se mobilizou para vencer a Segunda Guerra Mundial”. O objetivo a atingir é “chegar às zero emissões de carbono” e “criar milhões de novos empregos no processo”. O nome é World War Zero e é um novo movimento pela defesa do clima.

O movimento foi iniciado pelo antigo Secretário de Estado norte-americano John Kerry e pretende ser “uma nova coligação” que junta “políticos de topo, líderes militares e celebridades de Hollywood para lutar por uma resposta à crise climática”, diz o The Guardian. A filiação, contudo, está aberta a todos: basta entrar no site do World War Zero e inscrever-se para passar a fazer parte.

Entre os membros deste movimento norte-americano que pretende ser “bipartidário” — isto é, incluir democratas e republicanos por um mesmo fim — estão os antigos presidentes Bill Clinton e Jimmy Carter, do Partido Democrata, assim como republicanos, exemplo disso é o antigo governador da Califórnia e celebridade do cinema Arnold Schwarzenegger. No site do World War Zero, é possível ficar a conhecer que outras figuras públicas aderiram ao movimento, do músico Sting aos atores Leonardo DiCaprio, Emma Watson e Ashton Kutcher, passando pela antiga secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright e pela empresária e ativista Meg Whitman.

Leonardo DiCaprio: Greta Thunberg é uma “líder do nosso tempo”

Sobre as medidas a adotar pelo grupo ou sobre as propostas que vão ser defendidas pelo World War Zero para reduzir as emissões de carbono no mundo pouco se sabe. Por ora conhece-se apenas a intenção de sensibilizar políticos e opinião pública para a necessidade de responder adequadamente às alterações climáticas a curto prazo. O movimento está ainda a receber doações, que podem ser feitas através da página oficial.

Este domingo, numa ida à estação norte-americana NBC, John Kerry explicou que o movimento surgiu da perceção de que “não há nenhum país a fazer o que é preciso” e que “a realidade é, muito claramente, que estamos muito atrasados” face ao que devíamos estar na luta contra as alterações climáticas e as emissões poluentes. “As coisas estão a ficar piores, não melhores. Portanto, temos estes inesperados aliados a juntarem-se. Não há nenhum grupo que tenha pessoas tão diversas como o nosso em termos de nacionalidade, género, idade, ideologia, passado ou experiências de vida. E todas estas pessoas juntaram-se para dizer: temos de tratar este assunto como uma guerra”, apontou, citado pelo The Guardian.

Se a presença de alguns afiliados pode causar surpresa, menos inesperada é a adesão de Leonardo DiCaprio ao movimento. O ator norte-americano é um grande defensor público da causa ambiental e da necessidade de proteção do planeta. Esta semana, DiCaprio esteve envolvido numa troca de palavras mais dura com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que o acusou de estar por detrás dos incêndios que deflagraram na Amazónia e consumiram parte da região florestal. O ator recusou qualquer investimento da sua organização de defesa do ambiente nas ONG que têm como voluntários alguns dos suspeitos pelos incêndios.

Jair Bolsonaro culpa Leonardo DiCaprio por fogos na Amazónia