No segundo piso do hotel Crowne Plaza, cinco estrelas, na Avenida da Boavista, ultimavam-se os detalhes para a apresentação oficial da candidatura de Francisco Rodrigues dos Santos a líder do CDS-PP. À porta da sala, dois painéis com a frase “Voltar a Acreditar” em letras garrafais e o rosto de Francisco Rodrigues dos Santos em grande plano davam nas vistas. Dentro de portas, testavam-se o som, as luzes, azuis e amarelas a combinar com os tons do partido, e nomeavam-se os lugares reservados aos apoiantes. O cenário teve direito a grande produção com palco, púlpito, dois microfones e um ecrã gigante como pano de fundo.

Se uns diziam que “as pessoas mais velhas tinham de ficar atrás dele para aparecerem nas câmaras”, outros distribuíam pelas cadeiras cartazes com as frases “voltar a acreditar na classe média; na verdade; na direita; no Estado”. Outros ainda discutiam o que iam jantar a seguir. “McDonald’s deve ser a única coisa aberta no fim.”

As cerca de 100 cadeiras foram poucas para os apoiantes de “Chicão”, como é habitualmente conhecido o líder da Juventude Popular (JP). E Chicão lá chegou, passavam 47 minutos da hora marcada. Um problema no carro não o deixou chegar mais cedo, quando finalmente o protagonista apareceu, a plateia levantou-se  em apoteose.

Subiu ao púlpito com nove folhas na mão – o equivalente a 28 minutos de discurso – e, depois de fazer um diagnóstico do “pior resultado em eleições legislativas desde da fundação do partido”, disse que o CDS precisa de um novo rumo. “É precisamente em nome desse novo rumo, e com o firme prognóstico dos portugueses, que aqui estou, diante de vós, e apresento a minha candidatura à liderança do CDS-PP.” O anunciou não apanhou ninguém de surpresa, já que este domingo, no fim do seu comentário semanal na SIC, Marques Mendes avançou com a notícia da sua candidatura.

Francisco Rodrigues dos Santos deve anunciar candidatura ao CDS na terça-feira

“Estou absolutamente seguro de que ao nosso partido não basta afinar o tiro e calibrar o discurso”, acrescentou, sublinhando que o CDS “tem de mostrar uma nova energia, um vigor renovado, uma lufada de ar fresco e afirmar-se, de novo, na cena partidária.”

Francisco Rodrigues dos Santos é líder da JP desde dezembro de 2015 e diz acreditar “genuinamente” no seu partido, razão pela qual não se “esconde nem abandona o barco”, realçando que “os desvios do passado e a essa identidade já provaram não levar a lugar algum”. “Sou jovem, é verdade, uma qualidade que não só é apreciada pelos eleitores, como tempo se encarregará de resolver.”

O quinto candidato à corrida pela liderança do partido popular, afirma que o país pede hoje ao CDS que este seja “a primavera que a direita tem de atravessar para se reinventar e renascer”, sendo “o novo partido antigo que represente uma nova direita em Portugal.”

Para o advogado de 31 anos, não basta ganhar o próximo congresso, marcado para dias 26 e 27 de janeiro, “é preciso convencer os portugueses de que podem voltar a acreditar no CDS, o partido das mensagens claras, dos valores constantes, das pessoas e das liberdades”. O candidato quer dirigir-se essencialmente “ao povo não socialista”, o qual, segundo ele, “sem o CDS fica órfão, sem voz ou representação política”, assumindo ainda ser “um homem profundamente moderado”.

“O CDS preza a estabilidade política, pelo que ninguém espere de nós uma postura de pura contestação negativa, própria de quem não tem ideias para o futuro. Não se espere, também, que facilitemos a vida dos nossos adversários. Somos, sem qualquer margem para dúvida, oposição ao PS e aos seu Governo e oposição a todos os que têm suportado e continuam a suportar as suas políticas.”

Por outro lado, realçou que não irá fugir ao diálogo construtivo e, se o Governo quiser realmente dialogar com o CDS, “terá brevemente a oportunidade de o fazer, votando favoravelmente as propostas que apresentaremos já neste OE, na Assembleia da República”.

Em 28 minutos teve tempo de citar Adelino Amaro da Costa, fundador do CDS, e o escritor Almeida Garrett. O candidato terminou o discurso, que antecedeu o hino nacional, dirigindo-se ao avós e aos pais com um pedido especial. “Peço que confiem em mim, do mesmo modo que confiam nos vossos netos e nos vossos filhos.”

Que projeto tem Francisco Rodrigues dos Santos para o país?

O líder da JP representa a ala mais conservadora do partido e compromete-se no seu mandato, entre outras coisas, a apresentar um projeto de revisão constitucional, que “promova uma profunda reforma do atual sistema político e eleitoral”, retirando aos diretórios partidários e devolvendo aos eleitores, “a última palavra nas escolhas dos seus deputados”. O candidato defende também “o limite de mandatos para todos os titulares de cargos políticos eletivos”.

A sua lista, coordenada por Miguel Barbosa que a apelidou de “tripulação”, irá propor uma alteração ao atual sistema fiscal, “tendo em vista a inevitável e urgente defesa do interior e da coesão territorial”.

Francisco Rodrigues dos Santos renuncia a cargo na direção do Sporting para se candidatar à liderança do CDS-PP

O desenho de um novo pacote de políticas de apoio à família que “garanta o aumento do poder de compra, o apoio à natalidade e ao acesso à habitação”, também faz parte do rol de propostas. Já na justiça, Francisco Rodrigues dos Santos pretende “uma reforma equilibrada, mas urgente”, no sistema, que “ponha fim aos privilégios dos mais poderosos. “A ideia de quem desfalca bancos não é punido, enquanto a liberdade é retida aos pequenos delinquentes que furtam para comer, não pode manter-se”, salientou.

O líder dos jovens do CDS junta-se, assim, a quatro candidatos já anunciados: Filipe Lobo d’Ávila, ex-deputado e líder do grupo Juntos pelo Futuro; João Almeida, atual porta-voz do partido; Abel Matos Santos, porta-voz da corrente interna Tendência Esperança em Movimento; e Carlos Meira, ex-líder da concelhia de Viana do Castelo.