Afinal não é apenas um, mas dois os hospitais que as autoridades chinesas estão a construir em tempo recorde, em Whuan, para tratar o coronavírus. O primeiro começou a ser construído na última sexta-feira, dia 24, e a inauguração está prevista já para esta segunda-feira, dia 3. Terá capacidade para mil camas e as máquinas e operários estão a trabalhar sem parar numa área de 25 mil metros quadrados. O segundo será um pouco maior e deverá estar operacional dois dias depois, quarta-feira, dia 5. E a sua construção está a ser transmitida em direto no YouTube.

A construção tão rápida é possível não só pelas centenas de máquinas e milhares de trabalhadores que foram desviados para estes trabalhos na cidade que está no epicentro da doença como pelo facto de serem usados módulos pré-fabricados. A nova estirpe do coronavírus descoberta em Wuhan nos últimos dias de dezembro já contaminou, entretanto, quase 8 mil pessoas, matou 170, espalhou-se por toda a China e chegou a 15 países.

A televisão pública chinesa faz vídeos de dez horas

A rapidez das obras e a forma como os módulos são ‘empilhados’ para depois receber as equipas médicas e os equipamentos especializados para tratar este vírus e os doentes infetados tem feito com que milhões de pessoas acompanhem a transmissão televisiva em direto das obras, apesar de não existir qualquer relato ou voz off. As imagens transmitidas no YouTube são da televisão pública chinesa CGNT, que passa os vídeos durante dez horas. Segundo alguns jornais locais como o Asia One ou o South China Morning Post, as transmissões já chegaram a ter em simultâneo mais de 18 milhões de pessoas.

O vídeo em direto também está disponível no canal de YouTube da New China TV, a televisão da agência de notícias estatal Xinhua.

A New China TV está sempre em direto