Ken Block quase que dispensa apresentações e se tal se impusesse, de forma resumida, nada como descrevê-lo como um piloto que gosta de andar mais de lado do que a direito, capaz das maiores loucuras a velocidades apenas recomendáveis para um ás do volante.  O protagonista das tão apreciadas séries Gymkhana e Climbkhana teve agora a oportunidade de levar ao extremo o buggy eléctrico que, a partir do próximo ano, vai correr nas provas Extreme E, cuja primeira corrida será disputada entre 22 e 24 de Janeiro, em Lac Rose, no Senegal.

Em jeito de prelúdio, a Extreme E teve oportunidade de participar na última etapa do Dakar, no chamado Grande Prémio de Qiddiva. Ken Block foi desafiado a explorar ao máximo o novo Odyssey 21 e não só não se fez de rogado como ainda “sacou” um 3.º lugar na geral – nada mal para uma estreia nestas andanças, sobretudo depois de o último eléctrico que conduziu (que se saiba), o Ford Mustang Mach-E, o ter obrigado a uma contenção pouco condicente com a sua imagem de piloto radical

Como o vídeo recentemente revelado pela Extreme E mostra, com o Odyssey 21 não foi preciso ter mil e um cuidados. Isso, naturalmente, agradou ao especialista do drift, da mesma maneira que Block se confessou impressionado com este carro eléctrico de rali, preparado para correr em locais remotos, onde já se sentem os efeitos das alterações climáticas.

É uma sensação incrível estar ao volante deste carro. O binário surge instantaneamente e é quase explosivo. Por isso, é bastante divertido de conduzir”, declarou Ken Block.

O Odyssey 21 pesa 1650 kg, tem tracção integral e 550 cv de potência. Vai de 0 a 100 km/h em 4,5 segundos, não tendo sido divulgada a velocidade máxima que atinge. A sua construção está a cargo da Spark Racing Technology, que também produz os chassis da Fórmula E e que está por detrás da criação do rali eléctrico que visa chamar a atenção para a necessidade de proteger o ambiente, nomeadamente alguns dos ecossistemas mais frágeis do planeta.