André Ventura, o líder do Chega, anunciou que se vai candidatar à Presidência da República. Em mensagem enviada por vídeo aos militantes e transmitida pela TVI 24, André Ventura justifica a decisão pessoal de avançar às presidenciais de janeiro de 2021.

“Tomei a decisão pessoal de ser candidato presidencial nas próximas eleições. Nós não podemos aceitar o que está a acontecer em Portugal. Um Presidente que fica em silêncio até perante as recentes notícias que todos ouvimos em relação ao Ministério Público e às investigações a políticos. Que fica em silêncio sobre Tancos, sobre a corrupção, sobre a impunidade, sobre os polícias, sobre tantos assuntos que são tão caros ao Chega.”

No mesmo vídeo, Ventura diz ainda que não vai suspender o mandato como deputado e que se manterá à frente do partido. “A minha primeira obrigação é no Parlamento e é à frente do partido”, refere.

André Ventura é, assim, o primeiro a anunciar a candidatura a Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa ainda não revelou se será recandidato. O anúncio surge no segundo dia do congresso do PSD, que se realiza em Viana do Castelo.

[Veja aqui o vídeo de André Ventura a anunciar a candidatura]

O deputado único do Chega garante que, apesar da “popularidade de Marcelo Rebelo de Sousa”, não tem “medo do confronto”. E assume-se como um candidato anti-sistema, ao contrário do atual chefe de Estado. “Não vai ser uma luta fácil. Marcelo Rebelo de Sousa é a face deste sistema. Nasceu no sistema, cresceu com o sistema e defende o sistema. Nós somos precisamente o oposto.”

André Ventura reconhece que será praticamente impossível vencer. Mas afirma que isso não é o mais importante: “Mais do que ganhar, interessa que os portugueses fiquem a saber o quão mal está o seu sistema político, o seu sistema democrático, o seu sistema social”. A candidatura vai ser formalmente apresentada a 1 de março, em Portalegre. No vídeo, Ventura pede “sigilo” aos militantes para que a informação não começasse a circular demasiado cedo — mas foi conhecida este sábado.