O Pessoas-Animais-Natureza (PAN) criticou esta sexta-feira a oferta de bilhetes a menores de 12 anos para um espetáculo tauromáquico em Lisboa e anunciou que vai pedir esclarecimentos ao Governo, defendendo que não se pode “fechar os olhos” a esta situação.

O PAN repudia mais uma vez esta tentativa do lóbi da tauromaquia em trazer crianças e jovens para a praça de touros do Campo Pequeno”, afirmou a líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, à agência Lusa.

A ProToiro, que promove o festival do Dia da Tauromaquia, que vai decorrer no dia 29 de fevereiro no Campo Pequeno, em Lisboa, está a oferecer bilhetes aos menores de 12 anos quando acompanhados por um adulto.

A deputada, que já foi provedora dos Animais de Lisboa, assinalou que “a ONU já instou, por duas vezes, Portugal a afastar as crianças e jovens da violência da tauromaquia”.

Não nos faz qualquer sentido, por isso, que não só estas entidades promotoras do espetáculo como também as autoridades portuguesas continuem a fechar os olhos a esta situação”, sublinhou, assinalando que “a própria legislação não permite a participação de menores de idade nos espetáculos diretamente”.

Segundo Inês Sousa Real, está a “ser divulgado no cartaz a realização de espetáculos que não estão previstos no Regulamento do Espetáculo Tauromáquico” e a “Sociedade de Renovação Urbana do Campo Pequeno, que tem passado por um atribulado processo de insolvência, não tem sequer o CAE – Código de Atividades Económicas – para realizar corridas de touros” pelo que, na ótica do PAN, “não devem ser autorizadas” pela Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC).

“Isto é um arrepio legal, do nosso ponto de vista extremamente gravoso”, sublinhou a líder parlamentar. Por isso, o PAN vai pedir explicações sobre o assunto ao Governo, defendendo que “não faz sentido que o Estado continue a fechar os olhos a todas estas ilegalidades”. Inês Sousa Real disse ainda que “a tauromaquia não pode continuar a viver sem lei nem roque”.

Achamos que, não só, deviam impedir a realização deste evento, como impedir também que se realizem corridas de touros no Campo Pequeno por parte desta sociedade, uma vez que não está apta para este efeito”, alertou.

De acordo com um comunicado da ProToiro, estão previstas para dia 29 “atividades pedagógicas para crianças e adultos”, bem como “demonstrações de toureio e pegas, aulas de toureio e muitas atividades, num dia para toda a família”. No encerramento do Dia da Tauromaquia, está previsto ainda “um festival taurino com um cartel misto” composto por toureiros portugueses e forcados.

À Lusa, Hélder Milheiro, secretário-geral da ProToiro, explicou que a iniciativa se encontra dentro da lei, já que os bilhetes são oferecidos aos menores de 12 anos quando acompanhados por um adulto.

O Bloco de Esquerda já tinha criticado, na quinta-feira, a oferta de bilhetes a menores de 12 anos, afirmando que as touradas “são um espetáculo violento que não deve ter lugar na cidade de Lisboa”.