O maior acionista individual da Benfica SAD, José António dos Santos, líder do “império” Valouro (conhecido como “Rei dos Frangos”), comprou na bolsa de valores “largas centenas de milhares de euros” em ações na segunda-feira. Ou seja, o amigo de longa data e sócio empresarial de Luís Filipe Vieira, presidente do Sport Lisboa e Benfica, diz ao Público que não quer vender a sua participação no capital da SAD porque poderia ser “um mau negócio”.

“Não estou a dizer que não podia vender [e lucrar com isso]. Podia ser um belíssimo negócio para o Benfica, mas para mim era um mau negócio“, disse José António dos Santos, ao Público. “Estas ações têm um potencial de valorização muito forte“, comentou o empresário, que segundo os últimos dados disponíveis já era o maior acionista individual do clube, com 12,7% das ações.

Se vender na OPA, algo que garante que não está nos seus planos, encaixaria uma mais-valia estimada em 10 milhões de euros.

Foi em novembro que o SL Benfica anunciou uma Oferta Pública da Aquisição sobre os 28,06% do capital que não controla, para conseguir o controlo quase total da sociedade anónima desportiva (que já controla diretamente por ter mais de dois terços do capital). Nesta OPA, o Benfica oferece cinco euros por ação, o que representou, na altura, um prémio de 80% sobre os 2,76 euros a que as ações estavam a ser transacionadas na bolsa. Com a OPA em curso e com esse prémio em cima da mesa, as ações escalaram até aos 4,53 euros. A CMVM ainda não aprovou o prospeto da operação.

O jornal Expresso escreveu no ano passado sobre este potencial conflito de interesses, entre o “Rei dos Frangos” e o seu sócio (e amigo de há mais de 50 anos), o presidente do Benfica.