Depois de, na semana passada, uma sondagem do ISCTE e ICS, publicada na SIC/Expresso, ter colocado o partido de André Ventura pela primeira com 6% das intenções de voto, agora, uma nova sondagem da Intercampus confirma esta subida: se as eleições fossem hoje, o Chega, que teve apenas 1,29% dos votos em outubro, teria agora 6,9%. O Bloco de Esquerda também está em subida e consolida-se como a terceira força política: teria 13,3% dos votos, segundo a sondagem da Intercampus divulgada pelo Jornal de Negócios, bem acima dos 9,5% que teve nas últimas eleições.

Com este barómetro, o Chega ultrapassa pela primeira vez os comunistas e ecologistas, que tiveram 6,3% nas últimas eleições, e torna-se assim a quarta força política. Já a subida do BE faz com que o partido de Catarina Martins se consolide como terceira força, agora que os bloquistas fazem cada vez mais voz grossa ao governo de António Costa depois de a solução política da geringonça ter terminado em termos formais.

Sem grandes mexidas, o PCP (e PEV) permanece estável nas intenções de voto fixando-se na meta dos 6,3%, e o PAN recua nas intenções de voto face ao mês passado: passa de 6 para 5,4% (teve 3,3% nas últimas eleições). Já o Livre, que passou por um turbilhão de acontecimentos desde as legislativas, cai um ponto percentual num mês, fixando-se agora nos 0,8%. Quanto ao Iniciativa Liberal aparece nesta sondagem com 2,9% de intenções de voto, bem acima dos 1,2% dos votos que teve no escrutínio de outubro.

De acordo com o Jornal de Negócios, a sondagem foi realizada entre os dias 11 e 17 de fevereiro, depois dos dois congressos que animaram a direita, com a liderança de Rui Rio a ser reconfirmada no PSD e com Francisco Rodrigues dos Santos a assumir as rédeas do CDS. De acordo com o barómetro da Intercampus, a manutenção da liderança social-democrata não parece ter animado os eleitores do PSD, com o partido a recuar dois pontos percentuais face ao mês passando, fixando-se nos 23,8% das intenções de voto (teve 27,7% votos em outubro).

O mesmo não acontece com o CDS, que mudou de liderança e que isso parece ter dado um sinal positivo ao eleitorado. Na sondagem da Intercampus, o CDS aparece a crescer 1,6 pontos percentuais face ao mês passado, conquistando agora 3,5% de intenções de voto.

O PS mantém-se na frente das intenções de voto, mas em queda. Os socialistas caem dois pontos percentuais face a janeiro, registando agora 31,1% das intenções de voto, sendo esta a quarta descida consecutiva desde as eleições de outubro, nas medições da Intercampus. PS e PSD aparecem agora afastados por 7,3 pontos percentuais, com os sociais-democratas a estagnarem pela primeira vez depois de terem estado em subida gradual nas intenções de voto desde as últimas eleições.