O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se na terça-feira de manhã, em Lisboa, com os ministros das Finanças, da Economia, Administração Interna, Saúde, Infraestruturas e Planeamento sobre a resposta ao surto do Covid-19, informou esta segunda-feira fonte governamental.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e a secretária de Estado dos Assuntos Europeus participam na reunião através de videochamada, disse à agência Lusa fonte oficial do gabinete de António Costa.

A reunião, para fazer um ponto de situação da resposta de Portugal ao surto do novo coronavírus, que já infetou 39 pessoas em território nacional, começa às 9h na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, em Lisboa.

Para as 9h de terça-feira foram convocados para São Bento os ministros Mário Centeno (Finanças), Siza Vieira (Economia), Eduardo Cabrita (Administração Interna), Marta Temido (Saúde), Pedro Nuno Santos (Infraestruturas e Habitação) e Nelson de Souza (Planeamento), enquanto Augusto Santos Silva (Negócios Estrangeiros) participa por telefone.

Com os líderes europeus, António Costa fará, à distância, através de videoconferência, um ponto de situação sobre o que está a passar-se ao nível europeu, acrescentou a mesma fonte.

Nas últimas declarações públicas que fez sobre o assunto, no sábado, o chefe do Governo garantiu que Portugal está preparado para dar resposta ao surto e reiterou a confiança no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e nos seus profissionais.

Temos condições para tratar deste surto e vamos continuar a responder, e acho que temos todas a razões para ter confiança no nosso Serviço Nacional de Saúde e, sobretudo, nos nossos profissionais de saúde”, afirmou, no Porto, no dia em que o executivo anunciou o encerramento de algumas escolas e instituições, tendo suspendido visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais no Norte do país.

Em Portugal há 39 pessoas com Covid-19, a maioria na região Norte. No Algarve foi confirmado pelo menos um caso, em Portimão.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou quase mortos.

Mais de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, mas mais de 62 mil já recuperaram.