Todos os países estão a anunciar medidas cada vez mais duras de isolamento social, com suspensão de aulas e todas as atividades fora de casa que envolvam grupos, mas também limitações a restaurantes e lojas. E é também, cada vez mais difícil viajar para fora ou, por vezes, regressar a casa.

Em Portugal crescem as vozes a exigir o encerramento de fronteiras terrestres e aeroportuários, mas o Governo remete para uma posição comum que será tomada pela União Europeia, mas vai travar viagens turísticas por via terrestre. E já esta segunda-feira anunciou a suspensão a partir das 23hoo de voos de e para Espanha, das ligações fluviais internacionais e limitou a passagem por estrada a residentes portugueses e ao tráfego de mercadorias.

A União Europeia recomendou a suspensão de viagens não essenciais durante 30 dias e a criação de vias rápidas para o transporte de mercadorias mas ainda resiste a uma decisão radical que cada vez mais estados estão a adotar. É a derradeira tentativa para travar cadeias de contágio e conter uma epidemia que alastrou em tempo recorde, muito por via da circulação intensa de viajantes com origem em zonas infetadas que levaram o coronavírus para outras paragens, muitas vezes antes de perceberem que estavam doentes. Da China para a Coreia do Sul e Itália, da Itália para outros países europeus, de Espanha para Portugal, da Europa para os Estados Unidos. A maioria destes países já tem cadeias internas de contágio, mas o vírus chegou de fora, trazido ou por estrangeiros ou por portugueses regressados de zonas afetadas. O boletim de domingo da Direção Geral de Saúde revela a origem por país dos casos importados, e são 47.

  • 1 da Alemanha e Áustria
  • 1 de Andorra
  • 1 da Bélgica
  • 16 da Espanha
  • 9 de França
  • 14 de Itália
  • 5 da Suíça

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A maioria dos países começou por impor quarentena de 14 dias aos que chegavam das zonas mais afetadas através de avião, mas com o galopar do número de infetados há restrições a chegar às fronteiras terrestres. Na generalidade, estas medidas extremas são impostas por duas semanas, mas dificilmente não serão prolongadas. A lista de restrições muda todos os dias. Fica aqui a lista provisória, e não exaustiva, de países que impuseram restrições. E a respetiva exposição a casos de Covid 19 (atualizados até às 20h00 de domingo).

A Alemanha decidiu ontem retomar o controlo das fronteiras terrestres com França, Áustria, Suíça, Bélgica, Holanda e Luxemburgo. A passagem fica limitada a trabalhadores que vivam num país e tenham de ir a outro e ao transporte de mercadorias, anunciou este domingo o ministro do Interior, Horst Seehofer. 5.813 infetados e 11 mortos (corrigido).

A Dinamarca foi um dos primeiros estados europeus a fechar as portas à maioria dos estrangeiros que só podem entrar se demonstrarem uma razão “credível” para entrarem no país. 864 infetados e 2 mortos. 

Itália. Os voos de Portugal estão suspensos para o país desde terça-feira passada, na sequência da quarentena nacional decretada. 24.747 infetados e 1.809 mortos.

A Áustria exige um certificado médico que confirme teste negativo não mais antigo que quatro dias para deixar entrar quem chega ao país e tenha passado nos últimos 15 dias em zonas de alto risco, França, Itália, Espanha e Suíça. 860 infetados e um morto. 

A República Checa declarou o estado de emergência, o que teve como consequência banir passageiros vindos de zonas de alto risco e proibir os checos de irem para esses destinos. Viagens de barco e autocarro da Alemanha e da Áustria também estão proibidas desde 14 de março. 253 infetados.

A Holanda suspendeu os voos com origem em zonas de alto risco de contaminação, uma lista que incluía Itália, China e Irão. 1.135 infetados e 20 mortos

A Noruega começou por impor quarentena por duas semanas para todos que chegavam de fora, entretanto todos os passageiros que chegam a Oslo desde 13 de março serão mandados regressar. 1.243 infetados e 3 mortos. 

A Polónia foi radical. Desde 15 de março, ficaram suspensos voos internacionais e serviços de comboios. Estrangeiros estão proibidos de entrar, polacos não podem sair e os quiserem regressar terão de ficar de quarentena por duas semanas. O controlo de fronteiras será restaurado temporariamente. 123 infetados e 3 mortos. 

A Rússia anunciou o fecho a partir das 00:00 de domingo, das fronteiras terrestres com a Noruega e a Polónia. 63 infetados. 

E Portugal? 

António Costa ainda não anunciou fecho de fronteiras. Remeteu a decisão para a União Europeia, mas avisou que haverá um controlo das viagens de turistas vindos de Espanha. Há relatos de autocarros com turistas vindos de Espanha, (não necessariamente com passageiros espanhóis) e também de pessoas entram por via terrestre e que procuram voar a partir de Portugal. Quase 2000 brasileiros que chegaram a Lisboa de cruzeiro foram impedidos de desembarcar no porto de Lisboa, a primeira medida adotada para impedir entrada de pessoas no país. O barco rumou a Cadiz para largar estes passageiros que entraram em Portugal de autocarro com destino ao aeroporto de Lisboa onde tinham voos. Esta transferência foi acompanhada pelas autoridades, mas o primeiro-ministro garantiu que não voltará a acontecer.

Açores e da Madeira foram os primeiros a impor restrições aos passageiros que chegam de avião que ficam obrigados a uma quarentena de 15 dias, mesmo sendo portugueses. A Madeira limitou também a entrada de passageiros de cruzeiros, como Lisboa fez e Miguel Albuquerque vai pedir a Lisboa que permita o fecho dos aeroportos. Os Açores já tem o seu primeiro infetado, uma açoriana que esteve na Holanda e Felgueiras, uma das primeiras localidades a registar casos.

Mas no resto do país, os turistas, cada vez menos, continuam a entrar ou pelo menos a circular. E ao contrário dos residentes, são os que menos seguem as recomendações de isolamento social e os que procuram mais atividades fora de portas e de convívio — restaurantes, esplanadas e monumentos (o Castelo de S. Jorge é dos poucos que ainda está aberto) que representam risco de contágio. 254 infetados. 

Fora da Europa

Os Estados Unidos foram um dos primeiros países a anunciar uma medida radical na quarta-feira passada, quando Donald Trump interditou passageiros não americanos que estiveram no espaço Schengen (espaço de livre circulação da União Europeia) nos últimos 14 dias a voar para os Estados Unidos. Mas deixou de fora os americanos, e numa primeira fase os habitantes do Reino Unido e da Irlanda, que passaram estar abrangidos pela proibição já esta segunda-feira. 3.329 infetados e 63 mortos. 

A Argentina suspendeu voos vindos da Europa e dos Estados Unidos durante 30 dias. 45 infetados e 2 mortos. 

A Colômbia anunciou este domingo que vai restringir a entrada de todos os não residentes a partir de segunda-feira. Os colombianos e residentes no país que regressem vão ficar isolados em duas semanas. 34 infetados. 

Israel obriga a todos os viajantes estrangeiros que chegam ao país a fazer quarentena de 14 dias. Uma medida em vigor desde 12 de março. 213 infetados. 

Mas a sobretudo a partir de sábado, foram vários os países não europeus que colocaram restrições em particular a passageiros com origem na Europa, que foi classificada pela Organização Mundial de Saúde como o novo epicentro da pandemia.

Marrocos anunciou suspensão de voos de e para Espanha e Portugal, deixando retidos  muitas centenas de turistas no país, o que obrigou já este domingo o Governo a fretar aviões à TAP para os trazer de volta. 28 infetados e 1 morto. 

A partir da terça-feira, Macau anunciou que quem chegar de praticamente toda a Europa, incluindo Portugal, e dos Estados Unidos, Canadá, Brasil, Egito, Austrália e Nova Zelândia, terá de ficar em quarentena de 14 dias. 11 infetados. 

A China, origem da pandemia e o primeiro país a sofrer restrições nos voos, já impôs também medidas a passageiros que venham dos países mais afetados, como Itália e Coreia do Sul, que são obrigados a uma quarentena de 14 dias à chegada.80.949 infestados e 3.199 mortos. 

A Índia optou por suspender a emissão de vistos a estrangeiros para a entrada no seu território. 111 infetados e 2 mortos. 

A Austrália impede a entrada de pessoas que tenham passado nos últimos 14 dias pela China, Irão, Coreia do Sul e Itália, com exceção dos australianos que ficam obrigados a isolar-se durante duas semanas. E para todos os outros que cheguem terão de fazer quarentena de 14 dias, foi anunciado este domingo.300 infetados e 5 mortos, 

A Malásia interditou a entrada a viajantes com origem na China, Coreia do Sul, Japão, Irão, Itália e Dinamarca. 428 infetados

A África do Sul. O presidente Ramaphosa declarou no domingo estado nacional de desastre depois de concluir que existem cadeias internas de transmissão. Viajantes vindos da Itália, Irão, Coreia do Sul, Espanha, Alemanha, Estados Unidos e China estão proibidos de entrar a partir do dia 18 de Março. Portugal ainda não está nesta lista. Os vistos dados a nacionais destes países serão cancelados. Estrangeiros que tenham passado por países de risco terão visto de entrada recusada. 61 infetados. 

Brasil, Canadá e México ainda não colocaram restrições à entrada de pessoas. O Peru anunciou a intenção de suspender voos da Europa e da Ásia por 30 dias, mas ainda sem data identificada, tal como a Bolívia.

Atualizado às 16h40 com novas medidas portuguesas e da União Europeia.