O Instituto Robert Koch (RKI), entidade responsável pela prevenção e controlo de doenças na Alemanha, mudou a sua posição e considera afinal que usar máscaras faciais em espaços públicos pode ajudar a conter a propagação do novo coronavírus.

Anteriormente, o RKI tinha definido que apenas doentes com infeções respiratórias deviam usar este tipo de proteção no nariz e boca, mas numa mensagem colocada quinta-feira no seu site oficial, os especialistas deste instituto reconheceram que esta medida pode reduzir o risco de transmissão e a máscara deve ser usada por pessoas sem sintomas.

Algumas pessoas infetadas não ficam doentes (assintomáticos), mas ainda podem transmiti-la a outras. Nesses casos, o uso preventivo de máscaras pode ajudar a diminuir o risco de transmissão”, revelou esta quinta-feira a entidade oficial alemã. “O uso de máscaras em locais públicos, onde a distância de segurança não pode ser assegurada, como supermercados, transportes públicos, ou mesmo no trabalho, pode ajudar a reduzir a disseminação do SARS-CoV-2”, lê-se na página oficial do RKI.

A cidade de Jena, no estado federado da Turíngia, foi a primeira na Alemanha a decretar o uso obrigatório de máscara em espaços públicos. A nova regra, ditada no início desta semana, entra em vigor já na próxima. A autarquia pediu aos moradores que, caso não consigam adquirir uma máscara profissional, a façam em casa. Uma alternativa, como um cachecol, também é aceite, desde que proteja o nariz e a boca.

Outras cidades e regiões alemãs também estão a ponderar implementar uma medida semelhante, mas, por agora, ainda não foi tomada uma decisão a nível nacional.

Atualmente, a Organização Mundial de Saúde considera que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas que já estão infetadas com Covid-19 ou que cuidam dos doentes.

A progressão da Covid-19 levou entretanto as autoridades de saúde da região de Berlim a estimarem que algumas medidas de distanciamento social e restrição de contacto se prolonguem durante todo o ano, sendo objetivo evitar que o novo coronavírus se propague e provoque um colapso hospitalar.

Temos de conseguir reduzir a velocidade dos contágios para não sobrecarregar o sistema de saúde e chegar a situações idênticas às vividas em Espanha e Itália”, admitiu o responsável pela pasta do Interior do governo regional de Berlim, Andreas Geisel, em declarações registadas pela rádio pública RBB.

O número de mortes por coronavírus na Alemanha aumentou nas últimas 24 horas em 145 para 1.017, enquanto o número de infeções aumentou 6.174 num só dia, atingindo 79.696 pessoas. O país é agora o quarto no mundo com mais casos, ultrapassando a China.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 51 mil. Dos casos de infeção, cerca de 190 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.