Empresas chinesas têm cancelado encomendas de equipamentos e consumíveis médicos feitos pelo Governo central e pelos governos regionais do Brasil sem dar explicações.

Segundo o jornal brasileiro Folha de São Paulo, uma carga de 600 ventiladores chineses comprada por estados da região nordeste do Brasil ficou retida no aeroporto de Miami, nos Estados Unidos, onde fazia conexão aérea e a sua compra foi cancelada pela empresa fornecedora no início da semana, sem qualquer explicação.

Segundo Bruno Dauster secretário da Casa Civil do estado brasileiro da Bahia, a retenção do material foi explicada como uma ação que teve “razões técnicas” já que a carga teria outro destino que não foi especificado.

Na última quarta-feira, o ministro da Saúde brasileiro, Luiz Henrique Mandetta, já havia informado que parte das compras que seriam feitas pelo país de equipamentos de proteção individual para uso na rede de saúde devido ao novo coronavírus foram canceladas após os Estados Unidos terem adquirido um grande volume de produtos da China.

O jornal brasileiro informou que outros governos regionais, como os estados do Maranhão e do Pará, têm procurado a embaixada chinesa para pedir ajuda e também para evitar cancelamento de pedidos já realizados.

O Governo brasileiro informou na quinta-feira que o Brasil tem 299 mortos e 7.910 infetados por Covid-19, naquele que foi o terceiro dia consecutivo em que o país sul-americano ultrapassou os mil casos confirmados da doença.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 55 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 200 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.