O secretário-geral adjunto do PS defendeu esta segunda-feira a manutenção das comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República, alegando que o parlamento tem funcionado cumprindo “todas as regras” determinadas pelas autoridades de saúde no combate à Covid-19.

“Devemos assinalar a data com um número reduzido de deputados e cumprindo todas as regras que as autoridades de saúde determinarem, como tem acontecido nas sessões que se têm vindo a realizar durante a pandemia”, afirmou José Luís Carneiro, depois de ter estado reunido com o presidente da União das Misericórdias, Manuel Lemos.

Segundo o “número dois” da direção dos socialistas, durante o atual período de estado de emergência, a Assembleia da República esteve sempre a funcionar, embora com menos deputados.

“E é nesses termos que a sessão ocorrerá. O coração da democracia não pode parar”, sustentou José Luís Carneiro, também vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS, alegando, ainda, que foi no parlamento que nasceu a Constituição da República em 1976. Como tal, “como deputados, é lá que temos o dever de estar”, acrescentou.

No final da reunião com o presidente da União das Misericórdias, o secretário-geral adjunto do PS transmitiu “o agradecimento” dos socialistas “pelo trabalho incansável das misericórdias portuguesas, nomeadamente dirigentes, funcionários e colaboradores, no combate ao Covid-19.

“Se hoje temos a garantia de que há 35 mil idosos a serem apoiados nestas instituições e muitos milhares de cidadãs e cidadãos portadores de deficiência, crianças e jovens em risco, mulheres vítimas de violência doméstica a merecerem cuidados humanizados, isso deve-se ao esforço de milhares de funcionários, dirigentes e voluntários que dão um conteúdo concreto à solidariedade”, disse.