A bolsa nova-iorquina encerrou esta quarta-feira sem rumo, com os investidores confrontados com mais números catastróficos sobre o emprego nos EUA, apesar de vários dos seus Estados estarem a reabrir as respetivas economias.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average recuou 0,91%, para os 23.664,64 pontos.

O tecnológico Nasdaq valorizou 0,51%, para as 8.8854,39 unidades, graças ao desempenho de empresas como Facebook (+0,68%), Microsoft (+0,98%) e Netflix (+2,26%).

Já o S&P500 cedeu 0,70%, para os 2.848,42 pontos.

A praça nova-iorquina vinha de duas sessões consecutivas em que tinha fechado em alta.

“O mercado parece estar em perda de velocidade”, considerou Peter Cardillo, da Spartan Capital Securities.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“As notícias macroeconómicas são muito más, com os números desta manhã sobre o setor privado e, provavelmente, os do emprego na sexta-feira”, acrescentou.

O emprego no setor privado teve uma fortíssima queda em abril, devido às medidas de confinamento para responder à pandemia do novo coronavirus, com 20,2 milhões de empregos perdidos, segundo o inquérito mensal da firma de prestação de serviços às empresas ADP, divulgado esta quarta-feira.

Esta informação costuma anteceder o relatório mensal sobre o emprego e a taxa de desemprego, que o Departamento do Trabalho deve publicar esta sexta-feira.

Os economistas antecipam a perda de 28 milhões de postos de trabalho em todos os setores de atividade.

“Não acredito que se assista a uma corrida para o mercado acionista nas próximas semanas”, previu Cardillo.

Para este operador, os investidores antecipam uma retoma, mas estão na expectativa e procuram saber quanto tempo isso vai demorar.

O desconfinamento prossegue nos EUA, o país mais afetado pela pandemia, com cerca de 72 mil mortos em mais de 1,2 milhões de pessoas infetadas.

O Estado da Califórnia deve começar a reduzir algumas medidas no final da semana.

Por outro lado, a divulgação dos resultados trimestrais das empresas continua a animar as sessões bolsistas.

Esta quarta-feira, a General Motors, que apresentou um lucro no primeiro trimestre de 247 milhões de dólares, anunciou que tenciona reabrir as suas fábricas nos EUA e no Canadá em 18 de maio. A sua ação fechou com ganhos de 2,96%.