Os acionistas da cadeia espanhola de supermercados Mercadona anunciaram esta segunda-feira ter distribuído em fevereiro e março mais de 384 milhões de euros em prémios aos 90.000 colaboradores em Espanha e Portugal.

“Deste valor total, 340 milhões de euros dizem respeito ao prémio anual, correspondente a 25% do lucro obtido em 2019, e, no final de março, 44 milhões de euros em prémio de ‘reconhecimento pelo esforço e o compromisso’ dos colaboradores perante a pandemia”, refere a empresa em comunicado.

Segundo precisa, os 340 milhões de euros relativos ao prémio anual foram atribuídos adicionalmente à retribuição mensal, representando um vencimento extra (a partir de um ano de antiguidade) ou dois vencimentos adicionais (após os cinco anos de antiguidade), que foram recebidos “por 99% dos colaboradores”.

Inserida na política de recursos humanos e de retribuição variável da Mercadona, a partilha com os colaboradores do lucro obtido no exercício anterior acontece há 19 anos e visa “premiar todos os membros da sua equipa com mais de um ano de antiguidade, cujo envolvimento ao longo dos 12 meses permitiu cumprir os objetivos pessoais especificamente definidos para o seu posto de trabalho, bem como os da empresa”.

No vencimento de março, e dada a situação excecional criada pela crise sanitária provocada pelo novo coronavírus, a cadeia espanhola distribuiu ainda a todos os 90.000 colaboradores na Península Ibérica um “Prémio de Reconhecimento pelo Esforço e o Compromisso”, no valor total de 44 milhões de euros, equivalente a 20% da retribuição mensal bruta.

Além do prémio anual previsto na política da empresa, a Mercadona destaca entre as condições laborais que oferece aos seus colaboradores um contrato efetivo desde o primeiro dia, um incremento anual de 11% no vencimento durante os primeiros cinco anos na empresa e salários “acima da média do setor”.

A equipa da Mercadona é formada por 90.000 pessoas, das quais 900 em Portugal, tendo a empresa criado no ano passado 4.200 novos postos de trabalho, dos quais 600 em Portugal.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 280 mil mortos e infetou mais de quatro milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Em Portugal, morreram 1.135 pessoas das 27.581 confirmadas como infetadas, e há 2.549 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, vários países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.