O Sporting anunciou esta segunda-feira a saída de mais dois elementos do Conselho Diretivo, o vice-presidente Filipe Osório de Castro e o vogal Rahim Ahamad. Em comunicado, o clube justifica as saídas com “motivos pessoais e profissionais, consequência da crise mundial gerada pela pandemia de Covid-19”. Até aqui, Osório de Castro era responsável pela pasta do Património e da Segurança e Ahamad pela internacionalização da marca, além de ser também o diretor do jornal Sporting.

O primeiro discurso do presidente Varandas: a medalha da final da Taça, a promessa do título e o pedido de união

Esta demissão dupla aumenta assim para três o número de elementos que deixaram a Direção leonina liderada por Frederico Varandas, já depois da saída de Francisco Rodrigues dos Santos em dezembro quando decidiu avançar com a candidatura à liderança do CDS (que viria a a ganhar). Já durante a pandemia, no final de março, Miguel Cal, que era administrador da SAD, apresentou a demissão – que já tinha sido ventilada em momentos anteriores. Nos dois casos, André Bernardo acabou por subir e ocupar essas posições que ficaram em aberto.

A saída do Pavilhão, a passagem pela manif, a agressão no Multidesportivo: vice e vogal do Sporting apresentam queixa na PSP de Telheiras

De acordo com informações recolhidas pelo Observador, sobretudo a demissão de Rahim Ahamad já era esperada após ter deixado de assinar os editoriais do jornal do clube como era prática desde setembro de 2018, sinal de que o responsável também pela internacionalização da marca poderia estar de saída. Um dos pontos revelados por fontes internas na altura da demissão de Miguel Cal passava também pelo desconforto que existiu entre alguns elementos com a criação de um Conselho Estratégico “fechado” a apenas cinco elementos (entre as quais o próprio Varandas), uma delas sem qualquer ligação como membro dos órgãos sociais ao clube.

Administração da Sporting SAD sofre baixa (e fica com dois executivos à condição): Miguel Cal apresenta demissão

Certo é que, num contexto em que o clube acaba de apresentar o plano “Regresso ao Futuro, Visão Estratégia 2020-2022”, onde são resumidos os dois primeiros anos de Varandas (à luz do ataque à Academia e da pandemia) e são projetados os próximos dois, os últimos do mandato, houve também uma reorganização interna dos pelouros existentes entre os quatros vices e os cinco vogais – uma informação já atualizada no site oficial –, o que faz com que mais de metade dos elementos da Direção tenham saído ou passado de suplentes a vogais. Um deles, Alexandre Ferreira, entrara nas listas ainda antes do sufrágio substituindo Pedro Silveira.

Áudio polémico leva Pedro Silveira a renunciar a cargo na lista de Frederico Varandas

Na nota publicada no site oficial do Sporting, o Conselho Diretivo liderado por Frederico Varandas esclareceu ainda que elementos vão ficar responsáveis pelas áreas que pertenciam aos dois membros demissionários.

“O Sporting Clube de Portugal vem por este meio comunicar a saída do vice-presidente Filipe Osório de Castro e do vogal Rahim Ahamad por motivos pessoais e profissionais, consequência da crise mundial gerada pela pandemia de COVID-19.

O Clube agradece o esforço e a dedicação com que Filipe Osório de Castro e Rahim Ahamad encararam a missão de servir o Sporting Clube de Portugal e em particular o contributo que deram nestes últimos meses extremamente difíceis das suas vidas profissionais, nos quais nunca deixaram de contribuir activa e positivamente para a gestão no nosso Clube.

Devido às saídas de Filipe Osório de Castro e de Rahim Ahamad, André Cymbron assume a posição de vogal no Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal, ficando responsável pela pasta Internacional e Pedro Lancastre passará a representar o Clube na área do Património; Alexandre Ferreira ficará com a pasta dos Sócios e Museus, André Bernardo com o Marketing e área Comercial e Miguel Nogueira Leite com a área Institucional. Frederico Varandas, Francisco Salgado Zenha, João Sampaio, Maria Serrano e Miguel Afonso mantêm as pastas anteriores”.