O número de casos confirmados de Covid-19 subiu para 32.895 esta terça-feira, depois de terem sido registados mais 195 novos contágios nas últimas 24 horas, de acordo com o relatório da Direção-Geral de Saúde (DGS). O número de casos de infeção pelo novo coronavírus subiu assim em 0,6%, percentagem que se mantém face aos casos registados no dia anterior, quando o boletim deu conta de mais 200 pessoas infetadas.

O número de óbitos desceu. Nas últimas 24 horas, morreram 12, menos duas do que na véspera, uma evolução de 0,8%. O total está agora nas 1.436 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia.

O relatório desta terça-feira continua a evidenciar as tendências das últimas semanas. Depois de um dia a zero, a região Norte volta a registar novos casos. Mas continua a ser a região de Lisboa e Vale do Tejo a reunir a maior fatia de novas infeções, embora numa percentagem menor à dos últimos dias. O concelho de Sintra é o que mais novos casos de Covid-19 apresenta — 23% do total nacional. A cidade de Lisboa vem a seguir.

Quanto a faixas etárias, é na população entre os 30 e os 49 anos que o número de novos casos aumenta. As mortes continuam a registar-se maioritariamente entre pessoas com idades superiores a 80 anos.

Número total de casos, mortes e recuperados

O número de óbitos desceu para 12, o valor mais baixo da última semana. A evolução do número de mortes foi, portanto, de 0,8%, descida favorável depois do 1% do dia anterior. O total sobe assim para 1.436. Do lado dos novos casos, o abrandamento é muito ténue em relação ao relatório anterior: foram 195 novos casos, levemente abaixo dos 200 registados na véspera. No entanto, a percentagem mantém-se nos 0,6%.

Recuperados, contam-se  317, uma diminuição abrupta face aos 503 do anterior (um aumento de 2,6%), porém acima do número comunicado no último domingo: 223 (1,2%). Esta terça-feira, o indicador sofreu um aumento de 1,6%. Quanto à taxa de letalidade, esta subiu ligeiramente de 4,35% para 4,37%. A taxa de letalidade entre os casos acima dos 80 anos é de 17%.

Caracterização do número de casos por região e concelho

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser o foco da pandemia em solo português. Dos 195 novos casos registado nas últimas 24 horas, 158 estão nesta região, o que corresponde a uma fatia de 81% das novas infeções. A tendência mantém-se, contudo a percentagem sofreu uma ligeira descida, depois dos 96,5% do dia anterior. Além disso, é o número de novos casos mais baixo da última semana (contudo acima dos 144 de dia 25 de maio). Para a região, é um aumento de 1,4%. O número desta terça-feira fica ainda abaixo dos 193 registados na véspera. O Norte continua a ser recordista no total de casos confirmados — 16.789.

A região Norte também viu o indicador aumentar subitamente, na casa dos 0,2%. De zero casos registados no último relatório, passou para 29 novas infeções. A região Centro contabiliza seis novos casos confirmados, o dobro do dia anterior. Alentejo e Madeira têm um novo caso a reportar cada uma. Açores e Sul ficam a zeros.

No que toca a concelhos, ressaltam as contas de Sintra. O número alarmante do boletim — 182 — resulta de “atualizações das notificações médicas dos últimos quatro dias”, o que ainda assim resulta numa média de 45 novos casos diários, ou seja, é o concelho a registar mais novas infeções, 23% do total nacional. Logo a seguir vem Lisboa, concelho que apresenta 38 novos casos confirmados (eram nove no dia anterior), 19,5% do total nacional.

Seguem-se Amadora (29), Loures (23), Odivelas (16), Vila Franca de Xira (14) e Seixal (12). De zero para 11, Vila Nova de Gaia é o concelho a Norte com mais novos casos de infeção pelo novo coronavírus.

Caracterização dos casos por faixa etária e género

A tendência de contágios nos indivíduos entre os 20 e os 29 anos dá, esta terça-feira, um leve sinal de abrandamento. Representam agora 33 dos 295 (11,2%), quando há um dia eram 48 em 200 (24%), quase um quarto dos novos casos confirmados. Por outro lado, os grupos entre os 30 e os 39 anos e os 40 e os 49 anos subiram em contágios, de 36 para 41 casos (13,9%) e de 20 para 33 (11,2%), respetivamente.

Até aos nove anos, há 14 novos casos e dez entre os dez e os 19 (4,7%). O grupo dos 50 aos 59 regista 22 novos casos (7,5%), o dos 60 aos 69 regista dez (3,4%) e o dos 70 aos 79 anos regista 13 (4,4%), à semelhança do dos maiores de 80 anos. Há ainda seis novos casos cuja idade é desconhecida.

Quanto à divisão por género, as mulheres continuam a ser em maior número entre os novos casos. no que aos novos contágios diz respeito. Dos 195 novos contágios, 113 são mulheres e 82 são homens.

Número de casos internados e nos cuidados intensivos

No que diz respeito aos internamentos, houve uma descida expressiva. No que toca a internamentos gerais, há 432 camas ocupadas, menos 39 do que no dia anterior. Os internamentos em Unidades de Cuidados Intensivos também desceram, embora não com tanta margem. Há atualmente 58 pessoas internadas neste contexto, menos seis do que na segunda-feira.

Número de casos suspeitos, não confirmados, em vigilância e a aguardar resultados

O número de casos suspeitos subiu em 2.595, estando agora nos 328.873 no total ao longo da pandemia. O número de não confirmados também cresce — são mais 2.254 nas últimas 24 horas, o que eleva o total para 294.112. É importante reter que ambos os indicadores crescem proporcionalmente e com cerca de mais mil casos cada um em relação à véspera. O número de pessoas em vigilância quase duplicou. São agora 106 (28.064 no total, desde o início da pandemia) e há 1.866 pessoas a aguardar resultados, mais 146 do que ontem.