O Groupe PSA e a Punch Powertrain já estão unidos numa joint-venture e, agora, anunciaram que pretendem estreitar os laços com uma segunda parceria, ainda sujeita à aprovação das entidades reguladoras. Nesta segunda ligação, o controlo pertencerá à Punch Powertrain (61%), sendo que o negócio assenta essencialmente numa nova transmissão de dupla embraiagem que será produzida não apenas para equipar os modelos electrificados da PSA, numa primeira fase, mas também outros construtores de automóveis, posteriormente.

“Esta nova joint-venture permitirá liderar a industrialização da nossa próxima geração de transmissões para veículos eléctricos híbridos do Groupe PSA e de outros fabricantes de automóveis, em todo o mundo”, afirmou o director-geral da Punch Powertrain, Jorge Solis. Por seu turno, a PSA destaca que esta parceria abre portas à racionalização dos custos na electrificação. “A nossa estratégia de fabricação é clara e visa alcançar uma integração vertical de componentes, especialmente de tecnologias fundamentais, como mecânicas electrificadas. O desafio que enfrentamos vai muito além da simples redução de custos. Trata-se de electrificação a custos acessíveis, em consonância com a nossa própria razão de ser”, destaca o vice-presidente executivo de Programas e Estratégia da PSA, Olivier Bourges.

Denominada DT2, esta caixa de velocidades de dupla embraiagem é descrita como “revolucionária” por ser electrificada, estabelecendo-se como a primeira transmissão do mercado a incorporar um motor eléctrico num modelo mild hybrid (MHEV). A nova joint-venture irá fornecer uma das primeiras soluções de 48V da indústria para MHEV, resultando em significativas reduções de consumos e numa redução nas emissões de CO2, em comparação com os veículos com motores térmicos equivalentes”, destaca a PSA, acrescentando que na calha está também uma variante de elevada tensão da DT2, especificamente projectada para híbridos plug-in (PHEV).

A primeira joint-venture com a Punch Powertrain foi assinada em abril de 2019 visou a produção, a partir de 2022, na fábrica da PSA em Metz (França) da caixa e-DCT, com dupla embraiagem e destinada à próxima geração dos veículos híbridos do grupo, substituindo assim a actual transmissão automática fornecida pelos japoneses da Aisin. Esta segunda joint-venture, em que à PSA caberá apenas entrar com capital pois a Punch Powertrain assegurará tudo o que respeita à DT2, da engenharia ao fabrico, “deverá ficar operacional até ao 3.º trimestre de 2020”.