Morreu, aos 75 anos, José Alberto Tavares Moreira. A notícia é confirmada em nota publicada no site da Presidência da República, que dá conta do falecimento do economista e jurista de formação que fez grande parte da sua carreira na banca.

Entre alguns cargos contam-se o de administrador da Caixa Geral de Depósitos — entre 1979 e 1981 — e, mais recentemente, o de Presidente do Conselho de Administração do banco angolano BAI Europa, SA., função que abandonou no início deste ano.

O cargo que mais destaque lhe deu foi o de governador do Banco de Portugal que ocupou entre 1986 e 1992 e para o qual transitou vindo de um Governo do PSD, quando Miguel Cadilhe era ministro das Finanças.

Tavares Moreira foi também presidente da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo e foi à frente de um banco de investimento lançado por este grupo que viria a ser alvo de um processo de contraordenação.

O caso que envolveu a ocultação de verbas em sociedade offshores deu origem a uma condenação pelo Banco de Portugal em 2002 que o inibiu de exercer cargos na banca durante sete anos e aplicou uma coima de 180 mil euros. Este foi um processo de contraordenação instaurado quando Vítor Constâncio estava à frente da instituição e à data foi condenação mais pesada para um banqueiro, anos antes de rebentarem os escândalos do BCP e do BPN.

Tavares Moreira recorreu desta condenação para várias instâncias judiciais, o processo acabou por prescrever e o gestor até fazia parte do conselho consultivo da instituição de supervisão. O Banco de Portugal emitiu uma nota de pesar pela morte do atual membro deste órgão. “Neste momento de perda e de consternação, o Governador e os membros do Conselho de Administração do Banco de Portugal endereçam à família do Dr. José Alberto Tavares Moreira o seu mais profundo pesar.​”

Tavares Moreira esteve também ligado à política, tendo sido secretário de Estado do Tesouro durante um curto período — de 1980 a 1981.  Desempenhou também, igualmente durante apenas dois anos, o cargo de secretário de Estado-Adjunto do ministro das Finanças e do Tesouro (entre 1985 e 1986, tendo transitado depois para Governador do Banco de Portugal) e foi deputado pelo círculo de Braga entre 2002 e 2005 pelo PSD.

Álvaro Barreto (falecido este ano) e Tavares Moreira nas jornadas parlamentar do PSD

No site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa envia “à família enlutada” as suas condolências e vinca que Tavares Moreira exerceu as funções governativas no ministério das Finanças “com indiscutível mérito”. O PR diz mais: “Em todos os cargos que exerceu, Tavares Moreira deixou a marca da sua competência e do seu rigor e, bem assim, da sua discreta afabilidade de trato, hoje recordada por todos quantos o conheceram”.