Caso Mário Centeno seja nomeado governador do Banco de Portugal, este será “fiscalizado” por uma equipa que o próprio nomeou ainda enquanto ministro das Finanças, escrevem os jornais Público e Expresso.

Centeno “tem todas as condições” para ir para o Banco de Portugal. Costa irritado com travão parlamentar

O conselho de auditoria em causa escrutina a atividade do Banco de Portugal e é composto por três elementos, dois deles nomeados em maio de 2018 e o terceiro em junho de 2019. Os mandatos prolongam-se até 2021 e 2022, sendo que as renumerações foram aumentadas ainda pela equipa encabeçada por Mário Centeno.

Já com Centeno livre, Costa ouve partidos sobre novo governador do Banco de Portugal no final do mês

Nuno Fernandes é o presidente do conselho de auditoria do Banco de Portugal e Margarida Abreu e Óscar Figueiredo são os vogais. As funções desta equipa passam pela fiscalização do trabalho do governador da instituição já referida.

Nesta segunda-feira, aquando da tomada de posse do novo ministro das Finanças, o primeiro-ministro declarou que Mário Centeno “tem todas as condições, do ponto de vista pessoal e profissional, e todas as competências para ser governador do Banco de Portugal — até o atual governador já o reconheceu”.