A ideia, num contexto de pandemia e com o mundo a dar os passos iniciais de desconfinamento e regresso a uma normalidade possível, era boa. Pelo menos, na teoria. Na prática, correu mal. Muito mal. E o teste positivo a Borna Coric, depois de Grigor Dimitrov, colocou o mundo do ténis em suspenso e Djokovic como alvo das críticas.

Com o circuito ATP ainda parado, o número 1 do mundo decidiu organizar uma série de jogos de exibição naquilo que chamou de Adria Tour. E a própria mecânica da organização mereceu elogios, com os jogadores a viajarem até à zona dos Balcãs (a primeira ronda foi em Belgrado no fim de semana passado, agora foi em Zadar, seria ainda no Montenegro e Banja Luka, no norte da Bósnia), a não terem qualquer prize money, a participarem em atividades com a comunidade e com todas as verbas angariadas a reverterem para causas solidárias. A organização, essa, ficou com o irmão mais novo, Djordje Djokovic, e um dos seus treinadores, o antigo vencedor de Wimbledon Goran Ivanisevic, com as garantias de que todas as normas e recomendações de segurança estariam garantidas.

Além de Djokovic e de Dominic Thiem, os dois cabeças de cartaz, foram ainda convidados outros jogadores do topo do ranking mundial como Alexander Zrerev, Grigor Dimitrov, Dusan Lajovic, Krajinovic, Viktor Troicki ou Damir Dzumhur. As assistências, essas, tiveram bancadas quase cheias (sendo que em Belgrado já tinha sido autorizado público nos estádios de futebol, no dérbi entre Partizan e Estrela Vermelha para a Taça), muitas sem máscaras, e houve depois outros compromissos como jogos de basquetebol e até saídas noturnas, quase dando a ideia de que a pandemia era uma coisa do passado e que também no mundo do ténis estava tudo a voltar ao normal.

“Olá a todos, quero chegar a todos e dizer aos meus fãs e amigos que testei positivo para Covid-19 no regresso ao Mónaco. Quero garantir que qualquer pessoa que tenha estado em contacto comigo nestes últimos dias seja testada e tome as necessárias precauções. Lamento muito qualquer mal que possa ter causado. Estou de regresso a casa e a recuperar. Obrigado pelo apoio e por favor fiquem seguros”, anunciou Dimitrov no Instagram.

Esta segunda-feira, menos de 24 horas depois, houve mais um teste positivo de Borna Coric, jogador que tinha jogado contra o búlgaro no sábado. “Quero informar a todos que testei positivo para Covid-19. Quero assegurar-me que todos os que estiveram em contacto comigo nos últimos dias façam o teste. Lamento o dano que possa causar. Sinto-me bem e não tenho sintomas”, anunciou o tenista croata. Além dos dois jogadores, a imprensa da Sérvia dá conta de mais dois testes positivos, num técnico de Dimitrov e num treinador também de Djokovic.

“Recebemos muitas críticas vindas de países ocidentais onde o novo coronavírus teve um impacto muito maior mas na Sérvia a situação está completamente diferente, não tem nada a ver com Inglaterra ou Espanha, por exemplo. Seguimos todas as regras e instruções, não passámos por cima de nada”, tinha referido no final da última semana Novak Djokovic, que está agora a ser muito criticado pela organização do evento sem as regras devidas. Um desses exemplos tem a ver com um evento com a comunidade que juntou Djokovic, Zverev, Dimitrov e Coric com dezenas de pessoas onde nem os tenistas nem os presentes, sobretudo mais novos, usam qualquer proteção.