“Não há melhores, nem piores.” Ouvimos dizer tantas vezes para não desmoralizarmos ou deixarmos de lutar pelos nossos objetivos. Mas, a verdade, é que há uns melhores que outros e outros melhores que uns, tudo depende do que estejamos a avaliar. Com os rankings da escolas não é diferente: se as escolas privadas continuam a ter os melhores resultados nas provas nacionais do 9.º ano, as escolas públicas afirmam-se quando se trata de mostrar como se faz um aluno completar o terceiro ciclo sem nenhum chumbo.

O Observador, em conjunto com a Nova School of Business and Economics (Nova SBE), elaborou os rankings das escolas para o ano letivo 2018/2019 com base nos dados fornecidos pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) e o Júri Nacional de Exames (JNE). Em baixo pode encontrar 11 tabelas com os melhores e os piores resultados das escolas no ano passado. Se quiser ter uma visão mais geral dos rankings ou encontrar uma escola específica, pode ver as listas completas aqui.

Avaliar o sucesso para não premiar os chumbos

Há 19 escolas a nível nacional, públicas ou privadas, em que 25% ou mais dos seus alunos apresentam um percurso direto de sucesso superior aos dos alunos de escolas comparáveis (na tabela “progressão dos alunos”) — ou seja, alunos que têm o mesmo perfil à entrada no 7.º ano, como a nota do ciclo anterior ou o contexto sócioeconómico.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.