Numa carta aberta dirigida à Organização Mundial de Saúde, que será publicada esta semana numa revista científica, 239 cientistas de 32 países apresentam evidências de que partículas mais pequenas suspensas no ar podem infetar pessoas — ou seja, a covid-19 também se transmite pelo ar — e pedem à organização que reveja as recomendações que tem divulgado, escreve o The New York Times.

Esta segunda-feira, a OMS afirmou que vai rever as declarações por considerar que as provas são “inconclusivas”, avançou a Reuters.

OMS revê artigo do New York Times sobre Covid-19 poder espalhar-se pelo ar

A 29 de junho, a OMS continuava a afirmar que a transmissão do vírus pelo ar só é possível após procedimentos médicos que produzem aerossóis ou gotículas menores do que 5 micrómetros (um micrómetro é igual a um milionésimo de metro). Para esta entidade, ventilação apropriada e máscaras N95 só devem ser preocupações nestas circunstâncias — a ênfase continua a ser na lavagem das mãos enquanto estratégia primária de prevenção, muito embora o Centro de Controle e Prevenção de Doenças norte-americano afirme agora que as superfícies representam um papel minoritário no contágio.

No entanto, o The New York Times — que conduziu entrevistas com quase 20 cientistas, incluindo uma dúzia de consultores da OMS, e teve ainda acesso a emails internos — escreve que a organização, apesar das boas intenções, “não está em sintonia com a ciência”. Os peritos consultados pela publicação dizem que o novo coronavírus é transmitido pelo ar e pode infetar pessoas quando inalado.

A maior parte destes especialistas simpatiza com as dificuldades da OMS e também com as complicadas relações políticas com que tem de lidar, sobretudo com os EUA e a China, mas argumenta que o comité dedicado ao controlo e prevenção de infeções está “vinculado a uma visão rígida e excessivamente médica das evidências científicas”.

Já em abril, um grupo de 36 especialistas em qualidade do ar e aerossóis pediu à OMS para considerar as evidências crescentes tendo em conta a transmissão aérea do novo coronavírus. Apesar de ter sido marcada uma reunião para discutir o assunto, esta foi dominada por peritos defensores da lavagem de mãos. O tema tem dividido especialistas.

A Covid-19 espalha-se pelo ar? Há divergências

Caso o novo coronavírus se possa transmitir pelo ar tendo em conta pequenas partículas suspensas — a OMS considera que este encontra maior dispersão de pessoa para pessoa via gotículas provenientes do nariz e da boca (resultantes de tosse, espirros ou simplesmente da fala) —, tal implicará alterações ao nível das medidas de segurança sanitária. Máscaras poderão ser precisas em ambientes fechados, mesmo naqueles em que há distância social garantida, e sistemas de ventilação nas escolas, lares, residências ou empresas terão de minimizar a circulação do ar e adotar filtros mais eficazes.

*Notícia atualizada às 20h28 com notícia sobre posição da OMS esta segunda-feira.