As ironias, o sentido de humor e o sarcasmo sempre foram barómetros para medir o momento do FC Porto através das intervenções públicas de Pinto da Costa. Isso não quer dizer obrigatoriamente que os dragões têm de estar na primeira posição mas é quase como se o líder dos dragões conseguisse prever o que se avizinha no futuro. Foi isso que aconteceu, recentemente, nas intervenções que foi tendo no fim de semana das eleições. Foi isso que aconteceu agora, com o título confirmado, mas em dose redobrada que só o hino no volume máximo travou.

Danilo, a figura de uma época que foi de dispensado do estágio a super-herói (a crónica do FC Porto-Sporting)

“Ninguém pode pôr em causa a justiça deste título. Só uma equipa e um clube como o FC Porto conseguia isto. Com a situação em que estava no final da primeira volta, com sete pontos de atraso, com alguns a fazerem já o funeral noutros canais televisivos, só este clube, este treinador e estes adeptos conseguiam virar. E alguns anunciavam que o Benfica ia aumentar para dez essa vantagem, agora temos oito de avanço. É isto o FC Porto…”, começou por dizer  no Porto Canal, antes de fazer uma pausa por não conseguir ouvir as perguntas durante o hino.

“Depois daquela derrota na Taça da Liga, com aqueles acontecimentos empolados que era para pregar mais uns pregos no caixão, o FC Porto mostrou que não se deixa vencer seja pelo que for e seja por quem for. Hoje apresentámos vários jovens, temos outros de muito valor para serem lançados, só não temos é cartilheiros para falar disso porque se fosse como no Seixal tinham de falar o dobro pelo que estes valem”, prosseguiu o líder portista, antes de abordar também a importância de Sérgio Conceição e a “possibilidade” de ter público.

Largos dias têm 22 Campeonatos e 61 títulos – ou como Pinto da Costa ganhou espaço para tomar conta do tempo

“Hoje toda a gente reconhece o valor do Sérgio Conceição. Em termos técnicos, táticos, de trabalho mas sobretudo com um espírito indomável de um verdadeiro dragão. Só assim era possível dar a volta na classificação. Os adeptos, mesmo não estando aqui, foram importantes, porque o acompanhamento dos Super Dragões fez diferença. Vou dar agora uma notícia aqui em primeira mão: espero ter gente no próximo jogo com o Moreirense e faremos uma petição à Liga e ao Governo para apresentar um espetáculo com o Bruno Nogueira e vamos convidar o Presidente da República, vamos ver. Se não estiver disponível, fazemos uma tourada, mandamos vir os touros lá de baixo e faz-se aqui uma tourada mas assim já podem ver o futebol”, ironizou Pinto da Costa.

Um dicionário para perceber os 13.925 dias de Pinto da Costa na liderança do FC Porto, do Apito Dourado ao Zé do Boné

“Para já há mais dois jogos para ganhar, Moreirense e Sp. Braga, porque temos de jogar sempre com seriedade. Depois é a final da Taça e espero ter público porque nesse dia o Bruno Nogueira está disponível. Mensagem para os adeptos? De agradecimento pelo apoio. Tinha uma fé enorme que era hoje, fui a um sítio que não interessa e depois fui para o meu gabinete escrever a primeira página: eu, presidente do FC Porto, acreditei; tu, dragão de coração, acreditaste; ele, Sérgio Conceição, acreditou; nós, grupo de trabalho, acreditámos; vós, adeptos e simpatizantes, acreditastes; eles, cartilheiros e palradores, nem querem acreditar. É o princípio do meu artigo. Gostava de ver a cara de quem dizia que o Benfica vinha ao Dragão dar o xeque-mate, que o Benfica é demasiado grande para Portugal. Fico feliz por quem está ali em baixo ou em casa a beber champanhe mas aqueles que estão ali na rua, em situações difíceis, desempregados, é por esses que eu luto sempre”, rematou o líder portista.

Pinto da Costa e as 80 frases que explicam quem é o sócio 808 do FC Porto (e muito mais do que isso)