As Forças Armadas contabilizam 29 militares infetados com o novo coronavírus, sem haver sinal de qualquer surto, revelou esta terça-feira o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, em Leiria.

 Naturalmente que os militares não são imunes. Todos os dias recebo um relatório sobre o estado de infeção. Ontem tínhamos 29 militares infetados, nenhum deles, felizmente, em qualquer situação de gravidade, e cerca de uma centena de militares que não estão infetados, mas por precaução estão em quarentena”, informou o governante.

Para João Gomes Cravinho, “a primeira missão das forças armadas é sempre salvaguardarem a sua própria capacidade de intervenção”, o que “desde o primeiro dia foi feito no âmbito das Forças Armadas”.

O ministro da Defesa acrescentou que tem estado a receber informação do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas diariamente, que lhe transmitiu que não se verificou “nenhum surto nas instalações militares”.

João Gomes Cravinho, que esteve esta terça-feira presente na despedida de um contingente de 129 militares que foram para o Afeganistão, explicou ainda que a cerimónia teve a presença de apenas cinco representantes do contingente total.

“Os outros 124 militares estavam resguardados em quarentena há duas semanas para, chegando ao teatro de operações, neste caso ao Afeganistão, terem a certeza de que não levavam o vírus”, afirmou o ministro da Defesa, à margem da cerimónia de assinatura dos protocolos de cooperação para a implementação do Referencial de Educação para a Segurança, a Defesa e a Paz.

Segundo o governante socialista, “esse tem sido” o método utilizado “em todas as áreas de intervenção” da Defesa.