Tal como aqui antecipámos, a marca checa do Grupo Volkswagen revelou o seu Enyaq iV antes de a Volkswagen apresentar o novo ID.4. São ambos SUV 100% eléctricos, que vão disputar o segmento C, mas o Enyaq destaca-se por ser o primeiro modelo do fabricante de Mladá Boleslav a recorrer à arquitectura MEB, projectada pelo conglomerado germânico especificamente para tirar o máximo partido da propulsão eléctrica. E como a Skoda está a comemorar os seus 125 anos de existência, o Enyaq iV foi oficialmente apresentado antes de surgir o “mano” ID.4, do qual se diferencia, sobretudo, por uma estética mais atractiva, com linhas mais angulosas e um design mais “agressivo”.

Mas o visual apelativo está longe de ser o único trunfo do Enyaq iV que, segundo a marca, tem a vantagem de oferecer um espaço interior similar ao do Kodiaq, pese embora seja mais pequeno que o Octavia. Reclamando 4,649 m de comprimento, 1,879 m de largura e 1,616 m de altura, o crossover checo mede 2,765 m entre eixos, o que lhe permite oferecer não só uma boa habitabilidade, como também manter a proverbial capacidade de transportar muita bagagem, como é apanágio da Skoda. A prova disso é que a volumetria da mala se cifra nos 585 litros, um bom valor que é associado às típicas soluções “simply clever” do fabricante – como raspador de gelo com medidor do piso do pneu no interior da porta da bagageira, redes de retenção de objectos, fundo falso ajustável e abertura eléctrica com pedal virtual.

8 fotos

Antecipado pelo concept Vision iV revelado o ano passado, o Enyaq iV é uma afirmação de estilo. O ADN da marca está lá, mas as escolhas de Karl Neuhold para o design deste SUV eléctrico resultam numa proposta harmoniosamente dinâmica e elegante. A frente é mais marcante do que a traseira, que é mais plana e menos rebuscada. A grelha frontal fechada é o elemento mais marcante da secção dianteira, podendo ser iluminada nas versões mais sofisticadas. Esta solução, denominada “Crystal Face”, recorre a 130 LED para iluminar as lâminas verticais e uma faixa horizontal da grelha. Visto de lado, o novo crossover eléctrico checo exibe um porte atlético, cortesia da linha de tejadilho inclinada e da linha de cintura ascendente. Mas a robustez também está presente, nomeadamente graças às jantes de 18 a 21 polegadas. Atrás, o spoiler de tejadilho contribui para uma melhor aerodinâmica e para uma imagem mais desportiva, enquanto o nome da marca se inscreve no meio do portão traseiro, promovendo a união dos farolins esguios que, opcionalmente, podem ser em LED.

19 fotos

No interior, o destaque vai para a consola central “flutuante”, que se apresenta em dois níveis para proporcionar mais espaço. O habitáculo mantém o estilo da Skoda, mas a pender para um maior minimalismo, o que resulta não só numa sensação de mais espaço, mas também num maior refinamento. Por detrás do volante multifunções encontra-se um painel de instrumentos digital de 5,3 polegadas, que pode exibir as informações mais relevantes para o condutor em quatro layouts, enquanto o sistema de infoentretenimento recorre a um ecrã táctil com uma dimensão de até 13 polegadas, o maior num Skoda, podendo ser operado por controlo gestual ou recorrendo à assistente de voz digital Laura.

Para configurar o Enyaq iV, há uma dezena de pacotes temáticos, merecendo particular referência a preocupação do fabricante em recorrer a materiais sustentáveis. Exemplo disso são os níveis de design Lodge e ecoSuite, com o primeiro a ter os bancos revestidos 40% em lã nova certificada e os restantes 60% em poliéster obtido a partir de garrafas recicladas. Já no ecoSuite, a atenção ecológica incide no tratamento da pele que, ao invés de recorrer a produtos químicos, opta por extractos de folha de oliveira.

12 fotos

Em termos de motorizações, há cinco alternativas e três packs de baterias. A versão de entrada fica entregue ao 50 iV, que monta um motor eléctrico atrás com 109  kW (148 cv) e 220 Nm, alimentado por uma bateria de 52 kWh de capacidade útil (55 kWh de capacidade bruta). O mais básico dos Enyaq iV vai de 0 a 100 km/h em 11,4 segundos, atinge 160 km de velocidade máxima e, provisoriamente, anuncia em WLTP a capacidade de percorrer 340 km com uma carga completa. Também tracção traseira, a versão 60 iV oferece mais potência (132 kW/180 cv), mais agilidade (0-100 km/h em 8,7 segundos) e maior autonomia (390 km). Tudo porque recorre a um acumulador maior, com 62 kWh (útil de 58 kWh). A meio da oferta encontra-se o Enyaq 80 iV, versão que é igualmente 4×2 mas que se destaca por ser a que anuncia a maior autonomia: 510 km. Neste caso, o motor eléctrico debita 150 kW (204 cv) e 310 Nm de torque máximo, cuja energia extrai de um pack de baterias de 77 kWh (82 kWh de capacidade bruta), o maior acumulador disponibilizado pelo modelo e precisamente o mesmo que serve as duas versões com tracção integral. Em termos de prestações, o 80 iV passa pela barreira dos 100 km/h ao fim de 8,5 segundos.

O 80x iV que, como a designação sugere, transmite a potência às quatro rodas pois instala um outro motor eléctrico no eixo dianteiro. A potência combinada é de 195 kW/265 cv e 425 Nm, com o alcance estimado a situar-se nos 460 km. Igual autonomia para a variante RS, igualmente com tracção a dois eixos, que promete ser a mais divertida de conduzir, pois é a mais potente. Com 225 kW/306 cv e 460 Nm, os 0 a 100 km/h ficam para trás em 6,2 segundos e a velocidade máxima salta dos 160 km/h de todas as restantes versões para 180 km/h.

De resto, no que toca à recarga das baterias, a marca adianta que numa wallbox de 11 kW o crossover é reabastecido em seis a oito horas, dependendo da capacidade do acumulador, sendo que a maior bateria pode ir de 5 a 80% em 38 minutos num posto de carga rápida. Sucede que a recarga em corrente contínua até 125 kW é um opcional, pois de série o limite é 50 kW.

Em termos de equipamento base, há que contar com ar condicionado Climatronic de duas zonas, volante em pele multifunções, arranque sem chave, rádio digital DAB, tecnologia SmartLink e faróis em LED. Nas variantes com bateria de maior capacidade – a marca não concretiza qual – juntam-se ainda sensores de estacionamento, câmara traseira e volante aquecido.